• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Conscientização Encontro Fazer Acontecer celebra o Dia Internacional da Síndrome de Down no Recife O evento, que aconteceu na manhã deste sábado no Parque da Jaqueira, foi recheado de apresentações culturais e artísticas de pessoas com Down

Por: Vitor Nascimento

Publicado em: 18/03/2017 13:10 Atualizado em: 18/03/2017 16:53

Gabriel Saboia e sua professora de dança Milena, animaram o público do evento. Crédito: Shilton Araújo/DP
Gabriel Saboia e sua professora de dança Milena, animaram o público do evento. Crédito: Shilton Araújo/DP
O dia internacional da Síndrome de Down teve uma comemoração antecipada com várias apresentações e muita animação. Em seu segundo ano, o Encontro Fazer Acontecer foi realizado na manhã deste sábado no econúcleo do Parque da Jaqueira. Contou com vários jovens com Síndrome de Down, que participaram de atividades que incluíram aulas de alongamento, zumba, capoeira, apresentação teatral, além de balé, frevo e maracatu. O evento, que contou com a presença de mais de mil pessoas, teve início às 9h e foi promovido pela Associação de Pais e Amigos de Pessoas com Síndrome de Down (ASPAD) e a Associação de Pais e Amigos dos Exepcionais (Apae). Contou ainda com o apoio de outras instituições e da Prefeitura do Recife.

Uma das organizadoras, Renata Sonoda, que também tem uma filha com Down, falou sobre as iniciativas que estão sendo tomadas para conscientização da sociedade em relação à inclusão. "Estamos juntos com vários grupos e personalidades divulgando a inclusão através da cartilha nacional da Síndrome de Down. Temos folders criativos e eventos que estão ocorrendo durante toda a semana". "A lição fundamental é a palavra inclusão", pontuou.

Gabriel Saboia, 31 anos, mostrou todo o seu "gingado" em uma apresentação de dança. "Eu me sinto muito feliz por estar aqui. Eu gosto muito de dançar e sei que essa é uma data muito importante pra quem tem a síndrome", explicou. Gabriel é dançarino e trabalha há cinco anos numa rede de lojas fast-foods. Sua mãe, Maria Teresa Saboia, 54, fala que a inclusão no mercado de trabalho foi muito importante para o desenvolvimento dele. "A visibilidade do espaço que é aberto é muito importante para que a sociedade se sensibilize. Foi por conta disso que abriu-se caminhos para que o Gabriel estivesse empregado e crescendo cada vez mais".


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.