• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Entrevista 'Apenas exerci minha cidadania', diz motorista que resgatou adolescente Homem, que preferiu não se identificar, prestou depoimento esta manhã na Delegacia de Casa Amarela

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 17/02/2017 12:52 Atualizado em: 17/02/2017 13:05

O motorista que resgatou o adolescente sequestrado na tarde de ontem na Zona Norte do Recife compareceu, no final da manhã desta sexta-feira à Delegacia de Casa Amarela. Além de prestar depoimento, o homem, que preferiu não ser identificado, falou à imprensa sobre  o caso.

"Nada cinematográfico. Uma cena de impulso. Eu peguei a criança pelo braço e coloquei no carro. O que mais me chocou foi o fato de o menino ter andado 1,5 km com pessoas tão diferentes de seu perfil e ninguém fez nada. Um menino corajoso. Ele me disse que mandaram que ele andasse em frente e não olhasse, pois se não o matariam. Não vi arma nem se fogo nem branca. Não sou uma pessoa diferente das outras, apenas exerci a cidadania", disse, em entrevista à TV Globo.

Além dele, também compareceram esta manhã à delegacia, os familiares do garoto. Mais cedo, o então chefe da Polícia Civil do estado, delegado Antônio Barros, se pronunciou sobre o caso. Barros adiantou que a polícia dará atenção especial ao crime: "Vamos dar atenção especialíssima a este caso. Já foi determinado o levantamento de informações para apurar os fatos. Vamos verificar o caso em concreto, tentar identificar a apessoa que teria ajudado o menor para saber exatamente o que aconteceu com mais detalhes e identificar essas pessoas que teriam tentado levar o adolescente e a intenção. Depende de uma investigação para chegar a uma responsabilização criminal. É importante frisar que isso precisa ser apurado. As informações oficiais ainda estão chegando à Polícia Civil", declarou.

Como aconteceu
- O menino de 13 anos estava no Parque da Jaqueira na tarde desta quinta-feira quando foi abordado por dois suspeitos a pé. Os homens o ameaçaram e o fizeram seguir com eles até a altura do Carrefour, no bairro da Torre, quase dois quilômetros depois. Eles queriam levá-lo para a Comunidade da Torre, por trás do supermercado, mas foram interceptados por um motorista ao passar pela Ponte da Torre. Desconfiado, o desconhecido notou o comportamento assustado do garoto ao lado da dupla. Ele parou o carro, jogou spray de pimenta nos suspeitos e resgatou o adolescente, que está bem ao lado da família.

Áudios com os depoimentos do motorista e do estudante detalhando toda a investida caíram nas redes sociais e deixam o alerta para pais e responsáveis. A identidade dos envolvidos foi preservada. De acordo com os relatos, a dupla não chegou a assaltar o garoto, mas não se sabe para quais fins o tinham pego. Na gravação que circula pelo WhatsApp, o menino detalha, ainda chorando, o que aconteceu. "O cara me parou na Jaqueira e me mandou ficar seguindo ele. Tinham dois caras e eu fiquei seguindo eles até, cara, eu andei para caramba com eles, mas eu fiquei seguindo. Aí, um cara parou do lado, assim, e mandou eu entrar. Meu Deus! Aí eu entrei no carro. O cara que estava dentro do carro jogou spray de pimenta. Meu Deus do céu, que medo. Estou passando mal (sic)", desabafou o garoto.


Em outra gravação que está sendo alastrada pelas redes sociais, o homem que salvou o menino esclarece o porquê de ter percebido que havia algo de errado. "Eu vi. Eles eram daqueles caras ladrões da pior espécie. Não eram daqueles caras que vão só te assaltar, eram daqueles que iam fazer maldade", contou. "Um vinha mais a frente e o outro estava ao lado do menino. Quando eu vi essa cena, para mim, era óbvio que não era normal. Era óbvio que aquele menino não estava com dois amigos que ele tinha acabado de fazer. Para mim, era óbvio que aquele menino estava sendo sequestrado ou assaltado".

Ainda no áudio, o motorista, que é pai de estudantes da mesma escola que a vítima, conta que estava saindo do colégio e indo para casa com os filhos, mas não hesitou. "Eu voei em cima desses dois caras. Na hora, puxei o menino pelo braço e joguei ele dentro do carro. Eles disseram que estavam só acompanhando ele". Mas fez o alerta: "Esse menino atravessou mais de um quilômetro andando com esses dois caras. Eles andaram a pé até o Carrefour sem que ninguém importunasse, nem policial e nem cidadão comum. Passaram em frente de guarita de prédio, de polícia, parada de ônibus, posto de gasolina. Se eu não tivesse parado o carro em uma atitude louca, esse menino a essa hora ou estaria estuprado ou estaria morto. A gente vive em uma sociedade do cão, a gente não pode ficar aceitando isso calado". denunciou.

Após tomar conhecimento dos riscos que o filho corria, a mãe do garoto disse estar muito abalada, na noite desta quinta-feira. "Agora, a gente não consegue pensar em nada. Vou esfriar a cabeça primeiro. Mas houve muito movimento sobre o que aconteceu e já está tudo encaminhado", explicou a mãe do menino.




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.