• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Camaragibe Projeto premiado dá mais segurança a quem pedala Estudantes da Escola Estadual Ministro Jarbas Passarinho utilizaram materiais recicláveis

Por: Anamaria Nascimento

Publicado em: 06/02/2017 07:11 Atualizado em:

Como faz todos os dias, o estudante Inoã Pereira da Silva, 17 anos, seguia para a escola, em Camaragibe, de bicicleta. O trajeto acabou saindo diferente do usual. No caminho, um carro bateu na parte traseira da bike enquanto ele pedalava. O motorista continuou acelerando sem prestar socorro ao adolescente, que, em vez de apenas reclamar da falta de segurança no trânsito, decidiu fazer algo para melhorar a mobilidade urbana.

Após sofrer o acidente, em 2015, Inoã se uniu com a colega de turma Kesse Teixeira, 17. Eles desenvolveram o projeto Bicicleta inteligente, premiado em exposições locais de tecnologias e selecionada para a Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), que acontece em São Paulo no mês de março.

A dupla estuda na Escola Estadual Ministro Jarbas Passarinho e usou componentes eletrônicos, sensores, chips, tela de computador reciclada e lâmpadas led para desenvolver a bike que avisa quando obstáculos se aproximam.

Quando um veículo entra no raio de cinco metros da bicicleta, por exemplo, uma luz verde acende. Se a distância diminuir para três metros, pisca uma luz amarela para o ciclista.

Caso o condutor do veículo que segue atrás reduza ainda mais o espaço, o sensor faz ligar a luz vermelha e uma sequência de lâmpadas de led projeta um desenho em formato de mão na traseira da bike para alertar o motorista sobre a distância mínima que ele deve manter do ciclista. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, a separação deve ser de 1,5 metro.

Apesar da tecnologia inovadora, o custo dos materiais para “turbinar” a bicicleta não chega a R$ 20. “Priorizamos a utilização de materiais recicláveis para baratear o projeto e também por não poluir o meio ambiente”, ressalta Inoã.

Atualmente, apenas uma bicicleta conta com o equipamento: a que o próprio Inoã usa diariamente para ir do estágio, no Bairro do Recife, à escola. A ideia é ampliar o número de bicicletas inteligentes no estado, e os estudantes já estão trabalhando no segundo protótipo dos sensores.

A nova versão será apresentada em São Paulo com novos aparatos tecnológicos: sensor de temperatura, para indicar quando o ciclista deve reaplicar seu protetor solar e um carregador de celular sem fio, que funcionará na medida em que o ciclista pedala. “Inovamos nessa versão 2.0 da bicicleta sem precisar elevar os custos”, pontua o estudante.

Orientados pela professora de história Sandra Roberta, os estudantes participaram da Exposição de Tecnologia e Ciências de Camaragibe, em 2016, e receberam o prêmio Destaque de Incentivo à Pesquisa Científica (Abritec).

Os alunos também foram selecionados para participar da II Expoceti – Exposição de Ciências, Engenharia, Tecnologia e Inovação, que acontece em junho deste ano, em São Lourenço da Mata.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.