• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Esta tarde Adeppe denuncia ao MPPE irregularidades no Programa de Jornada Extra da Segurança Entidade aponta pagamento de PJES para ocupantes de cargo comissionado e pagamentos de cotas do PJES acima do limite de 10 cotas por servidor

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 27/09/2016 08:40 Atualizado em: 27/09/2016 10:30

A Associação de Delegados de Polícia de Pernambuco (Adeppe) está formalizando, junto ao Ministério Público de Pernambuco (MPPE), uma série de denúncias de irregularidades no Programa de Jornada Extra da Segurança (PJES). Entre os problemas apontados pela associação estão: pagamento de PJES para ocupantes de cargo comissionado e pagamentos de cotas do PJES acima do limite de 10 cotas por servidor.

Detalhes sobre a denúncia serão apresentados pelo presidente da Adeppe, o delegado Francisco Rodrigues, durante uma entrevista coletiva marcada para ofinal da manhã desta terça-feira, na sede da entidade, na Rua da Aurora, bairro da Boa Vista, no Recife.

No dia 1º de setembro, mais de 200 delegados decidiram não trabalhar mais no Programa de Jornada Extra da Segurança da Secretaria de Defesa Social. "A segurança pública do estado tem como base de seu funcionamento o PJES, que nada mais é que um programa de pagamento de horas extras que não remunera corretamente os servidores", explicou na ocasião Francisco Rodrigues, por meio de nota à imprensa. Ele ainda lembrou a situação de muitos policiais civis que são "sobrecarregados de cotas do PJES". "Os delegados estão inconformados com a atual estrutura da Polícia Civil. Estamos trabalhando basicamente em flagrantes, não estamos investigando. Assaltos a ônibus, assaltos a carros-forte, não estão sendo devidamente investigados", explicou Francisco.

Na oportunidade, a Adeppe também denunciou a violência no estado com o lançamento da campanha "Olimpíadas do Medo". Segundo a entidade, de janeiro a julho de 2016, ocorreram mais de 2,6 mil homicídios, mais de 1.151 assaltos a ônibus, 125 arrombamento a bancos, 5.120 ocorrências de violência contra a mulher e mais de 13 mil veículos foram roubados ou furtados.

 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.