• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Microcefalia Mosquitos geneticamente modificados podem ser nova arma contra o Aedes Tecnologia inovadora foi discutida em reunião na tarde desta terça

Por: Adaíra Sene

Publicado em: 29/12/2015 22:29 Atualizado em: 30/12/2015 01:37

Mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, febre chikungunya e zika vírus. Foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press
Mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, febre chikungunya e zika vírus. Foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press
Na luta travada diariamente para combater a infestação do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, febre chikungunya e zika vírus, comprovadamente responsável pelo crescimento nos casos de microcefalia no país, a Prefeitura do Recife busca inovação. Na tarde desta terça, o prefeito Geraldo Julio se reuniu com o gerente de negócios da Oxitec para o Brasil, Cláudio Fernandes. A empresa desenvolve um projeto de controle da população de mosquitos por meio da inserção de indivíduos transgênicos.

"Eu acredito que existem três frentes importantes, a primeira é intensificar o combate tradicional, a segunda é a assistência e o atendimento aos casos de nascimento de bebês com microcefalia e a terceira é trazer inovação. A tecnologia está sendo aplicada ainda em pequena escala em algumas áreas do país e a gente está atrás de tudo que possa ajudar no combate ao mosquito. Vamos  aprofundar as discussões e avaliar  se é possível, em alguma área da cidade, vir a ser implantado um projeto dessa natureza", adiantou o prefeito Geraldo Julio.

De acordo com a Oxitec, o controle da população do mosquito pode ser feito por meio da inserção de espécies geneticamente modificadas. Esses indivíduos, machos, reproduzem e geram filhotes que não são capazes de chegar a idade adulta fazendo o controle de infestações. O macho do  Aedes aegypti,  por natureza, não se alimenta de sangue humano, portanto não há risco de transmitir as doenças. A metodologia utilizada se baseia na técnica conhecida como "inseto estéril", utilizada para controle de pragas agrícolas, mas inova pelo uso do fator genético, propício ao mosquito da dengue.

Exemplos

A tecnologia da empresa já foi aplicada em cidades como Piracicaba, em São Paulo e Juazeiro na Bahia.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.