• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Bicicletas Contagem mostra que mais de 3 mil ciclistas trafegam pela Avenida Caxangá diariamente Ciclistas enfrentam o perigo e não dispõem de estrutura para as suas bicicletas. Ação quer atentar para a necessidade da implantação de uma ciclofaixa na via

Por: Henrique Souza - Pernambuco.com

Publicado em: 11/09/2015 11:48 Atualizado em:

Ciclistas são obrigados a dividir espaço com outros veículos. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press
Ciclistas são obrigados a dividir espaço com outros veículos. Foto: Ricardo Fernandes/DP/D.A Press

A Associação Metropolitana de Ciclistas do Grande Recife (Ameciclo) realizou uma contagem do número de ciclistas que trafegam no cruzamento entre as avenidas Caxangá e General San Martín, Zona Oeste da cidade. A ação ocorreu no dia  09 de setembro. A ação contabilizou mais de 3 mil bicicletas das 6h às 20h.
O propósito da medição foi atentar para a demanda existente da implantação de uma ciclofaixa na via. A Ameciclo afirma que o número de condutores de bicicletas que fazem uso da avenida diariamente é bastante alto, mesmo com a pouca segurança. Cerca de 200 ciclistas passam pela avenida por hora. No período entre as 17h e 18h, horário de pico, o número sobe para 300.  A contagem não é a primeira realizada pelo grupo, que já fez atos semelhantes em pontos como a Rua do Futuro, Estrada de Belém e outros locais com grande número de condutores de bicicleta.

“São 3 mil ciclistas que pedalam pela avenida Caxangá diariamente, em uma via que é inóspita e não oferece estrutura nenhuma para veículos não motorizados. Para se ter uma ideia, em São Paulo, na avenida Paulista, que dispõe de ciclovia, passam 1 mil ciclistas”, compara o coordenador da Ameciclo, Daniel Valença. Outro ponto identificado pela contagem é a preferência dos usuários em utilizar a faixa do BRT.

Mais de 20% dos ciclistas opta pela via exclusiva do veículo. “Isso pode ser explicado até pelo que diz no manual do BRT. O texto fala que também é preciso fornecer estrutura para quem anda de bicicleta, ou a tendência é utilizarem a via do ônibus”, explica Daniel. “Também identificamos que há um bom número de mulheres e menores pedalando pelo trecho. Vimos muitos adolescentes fardados”, conta. A quantidade de ciclistas do sexo feminino chegou aos 8%. “Embora a quantidade pareça pequena, estudos mostram que quanto mais seguro o trânsito for, mais mulheres pedalam. No entanto, como isso não ocorre em Recife, o total de mulheres, 247, é alto para as condições disponíveis”, esclarece o coordenador.

Daniel condena os problemas na implantação do Plano Diretor Cicloviário, documento elaborado para garantir a inclusão de uma rede cicloviária no Recife. “Durante a construção do BRT, estava prevista também uma ciclovia, que inicialmente seria uma ciclofaixa, mas o que ocorreu foi a manutenção da avenida com uma pista larga para automóveis e nenhuma ação para priorizar os veículos não motorizados”, cobra.

A Ameciclo já tem uma série de ações programadas para os próximos meses. “Faremos uma 'invasão' ao metrô amanhã para reivindicar mais bicicletários e ampliar a permissão de dias em que a bicicleta pode ser utilizada dentro do veículo. Também estamos viabilizando uma parceria com a Universidade Católica de Pernambuco para realizarmos contagens de ciclistas em trechos do centro da cidade”, revela Daniel. 

Em nota, a CTTU afirmou que o projeto da ciclofaixa estaria sob os cuidados do Governo do Estado. Confira  o texto completo:

"O projeto da Ciclofaixa da Avenida Caxangá faz parte da Rede Cicloviária Metropolitana, que está sendo desenvolvida pelo Governo do Estado. À Prefeitura, cabe o estudo a implantação das rotas cicláveis que irão compor a Rede Cicloviária Complementar, em consonância com o PDC/RMR. Em relação ao volume de ciclistas, o número é realizado através de estudos específicos e o projeto de mobilidade da Av. Caxangá também está a cargo da Secid.”

Procurada, a Secretaria das Cidades afirmou que a responsabilidade seria da Secretaria de Turismo. A reportagem do Diario entrou em contato com o órgão, que se comprometeu a apurar o problema.

Abaixo você vê os dados da contagem realizada pela Ameciclo:




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.