• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Avaliando a mobilidade Bike elétrica e cadeirante incluídos no 3º Desafio Intermodal do Recife

Por: Larissa Rodrigues - Diario de Pernambuco

Publicado em: 18/11/2014 21:29 Atualizado em: 18/11/2014 23:19

Na terceira edição do Desafio Intermodal do Recife, promovida às 18h desta terça-feira (18), duas modalidades de locomoção foram acrescentadas: bicicleta elétrica e cadeira de rodas.

Jason Torres enfrentou dificuldades na relação com os motoristas da Via Mangue. (Bernardo Dantas/DP/D.A Press)
Jason Torres enfrentou dificuldades na relação com os motoristas da Via Mangue.
A ideia do evento é avaliar formas mais eficientes de mobilidade. Como nas outras duas vezes, o percurso começou na Praça da Independência, Centro do Recife, e terminou no Shopping Recife, em Boa Viagem, na Zona Sul da Cidade.

O trajeto foi concluído primeiro por uma das pioneiras na atividade, a bicicleta elétrica. O ciclista Jason Torres gastou 21 minutos e 51 segundos para chegar ao ponto final. Já o cadeirante Leandro de Sousa Mendonça, que usou um ônibus coletivo para fazer o itinerário, chegou em 1h46 ao destino.

Ambos relataram os problemas enfrentados no caminho. No caso da bicicleta elétrica, a difícil convivência com os carros, frequentemente reclamada por quem usa o ciclismo como meio de transporte, foi mais uma vez relatada. “Foi desafiador. Nunca havia ido a Boa Viagem nessa bicicleta. Pedalo pela Zona Norte. A maior dificuldade é mudar de faixa. Na Via Mangue, o pessoal (dos carros) começa a colar atrás de você e lhe jogar para o lado”, contou Jason Torres.

Leandro Sousa acredita que chegou em 1h46 porque estava acompanhado. Cada participante teve direito a um acompanhante, por que se não conseguisse concluir o percurso a outra pessoa assumiria o comando do modal. No caso de Leandro, foi Pedro Henrique Bezerra, que parou o ônibus.

Leandro Sousa Mendonça (na cadeira) e Pedro Henrique Bezerra fizeram o desafio de ônibus e relatarm problemas vivenciados por cadeirantes que usam transporte coletivo. (Bernardo Dantas/DP/D.A Press)
Leandro Sousa Mendonça (na cadeira) e Pedro Henrique Bezerra fizeram o desafio de ônibus e relatarm problemas vivenciados por cadeirantes que usam transporte coletivo.
“Se eu estivesse sozinho chegaria com pelo menos uma hora a mais. Geralmente os motoristas queimam as paradas para caber mais gente nos ônibus. No local onde fica minha cadeira cabem umas oito pessoas em pé. Às vezes passo quatro horas numa parada”, contou.

De acordo com um dos organizadores do evento, Roderick Jordão, a próxima edição do desafio será na Zona Norte. “Queremos mostrar a eficiência e mobilidade de outros locais da cidade”, explicou. Com tecnologia on line, a organização conseguiu acompanhar o trajeto e a localização de cada participante em tempo real. Foram 18 modais ao todo.

O Desafio Intermodal do Recife não analisa apenas o critério tempo de cada meio de locomoção, mas custo monetário, energia calórica e emissão de poluentes. Uma média dos quatro itens é calculada e a coordenação indica o meio de transporte mais eficiente. Até às 22h desta terça, a média ainda não havia sido liberada.

Confira o tempo de percurso dos sete primeiros modais a chegarem ao destino final:

1º Bicicléta elétrica - 21min 51seg

2º Táxi - 23min 37seg

3º Moto - 25min 16seg

4º Carro - 28min 1seg

5º Patins - 31min 52seg

6º Metrô + Skate - 32min 32seg

7º Bicicleta passo rápido 37min 28seg

7º Bike + Metrô - 37min 28seg

OBS: Os modais Bicicleta passo rápido e Bike + metrô chegaram ao mesmo tempo.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.