• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Ensino Estudantes do Agreste utilizam músicas de Chico Buarque para discutir preconceito e violência

Publicado em: 19/11/2013 18:44 Atualizado em:

Foto: Secretaria Estadual de Educação/Divulgação
Foto: Secretaria Estadual de Educação/Divulgação


Estudantes da Escola Municipal de Referência (Erem) Bezerros, no Agreste de Pernambuco, participaram de apresentaçãoes do “Sarau de Chico”, primeira ação do Núcleo de Estudos de Gênero e Raça (Negra) da instituição de ensino. Coordenado pelo professor Marcelo José de Araújo, o projeto tem o objetivo de promover a reflexão sobre os preconceitos racial e contra o homosexual e a violência contra a mulher por meio das canções de Chico Buarque de Hollanda.

O trabalho é fruto da pesquisa de pós-graduação do professor Marcelo, intitulada  “A canção como prática social de leitura na escola: Chico Buarque de Hollanda”, visando à obtenção do título de especialista em Linguística e Ensino do Português pela UFPE. A monografia foi orientada pelo professor Aldo Lima.

Nos dias 30 de outubro e 12 de novembros, os estudantes participaram do “Sarau de Chico” no auditório da escola e, no dia 8, a apresentação foi no centro da cidade, durante a feira literária de Bezerros. “Os alunos cantam e tocam as 11 canções selecionadas de Chico Buarque e, intercalando cada música, eu faço um comentário sobre a estética das canções”, explicou o professor Marcelo José de Araújo. A ideia é que a ação seja uma das atividades itinerantes do Negra, oportunizando, assim, a reflexão de temas diversos aos mais variados públicos e espaços através da música.

As canções de Chico Buarque selecionadas para a ação “Sarau de Chico” foram: A história de Lily Braun, Folhetim, Geni e o Zepelim, Mil perdões, Mulheres de Atenas, Olhos nos olhos, O meu amor, O meu guri, O que será (À flor da pele), Pedro pedreiro e Teresinha.

Com informações da Universidade Federal de Pernambuco


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.