• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Ringue Muay Thai pavimenta o futuro de jovens no Recife Profissionalização nessa modalidade do MMA é a forma que muitos encontram de driblar o caminho das drogas e da violência em suas comunidades de origem

Por: Celso Ishigami - Diario de Pernambuco

Publicado em: 29/06/2015 09:30 Atualizado em: 29/06/2015 13:44

Torneiro mais recente, a 3ª edição do Recife Combat Muay Thai, aconteceu no último sábado, na academia MXA, em Boa Viagem. Foto:  Brenda Alcantara/Esp DP/D.A Pres
Torneiro mais recente, a 3ª edição do Recife Combat Muay Thai, aconteceu no último sábado, na academia MXA, em Boa Viagem. Foto: Brenda Alcantara/Esp DP/D.A Pres
 

Um dos reflexos da mais recente explosão do MMA no Brasil é a procura cada vez maior das artes marciais como maneira de manter a forma. Para alguns praticantes, entretanto, a escolha por uma modalidade representa a esperança de um futuro melhor. Casos dos atletas de muay thai Guido Silva e José Arly, que conduziram reviravoltas em suas vidas a partir desse esporte. No último sábado, ambos participaram da 3ª edição do Recife Combat Muay Thai, realizado na academia MXA, em Boa Viagem, e saíram do torneio com motivos para comemorar.

Estreando em lutas profissionais com uma vitória por desistência sobre o potiguar Cláudio Eduardo, José Arly mostra convicção ao afirmar que a entrada do muay thai num período conturbado de sua adolescência foi decisiva para uma mudança radical. “Antes de começar a treinar, eu ia sempre pra jogo, com a organizada. E a ideia era ir para brigar mesmo. Briguei muito.”, ressalta. “Eu andava com um grupo de uns 20 amigos, que só queriam saber de ‘galeragem’ e de brigar com outros bairros. Mas a maioria morreu. Hoje, a vila onde ainda moro parece uma vila fantasma”.

José Arly chegou a integrar uma organizada, onde "brigava muito", mas hoje está focado no Muay Thai e no curso de educação física. Foto:  Brenda Alcantara/Esp DP/D.A Pres
José Arly chegou a integrar uma organizada, onde "brigava muito", mas hoje está focado no Muay Thai e no curso de educação física. Foto: Brenda Alcantara/Esp DP/D.A Pres

Arly, que teve o irmão preso durante o período em que integrava a organizada, hoje faz planos para o dia em que tiver que parar de lutar. “A ideia é concluir a faculdade de Educação Física que estou fazendo para aprimorar minha técnica e um dia poder aplicar o que aprendi com meus alunos. Quero ajudar a mudar a vida de outras pessoas e a formar novos lutadores.”

O principal incentivador de Arly é seu amigo e parceiro de treinos Guido Silva, que defendeu seu cinturão pela primeira vez no torneio. Apesar de o nocaute sobre o sergipano Genivaldo “Dalsin” ter sido provocado por um contato ilegal, os árbitros consideraram o golpe como acidental. Por isso, a luta terminou como "sem resultado" e Guido manteve o título.
Guido Silva, que defendeu seu cinturão pela primeira vez no torneio deste fim de semana, reconhece que perdeu amigos para a criminalidade. Foto: Brenda Alcantara/Esp DP/D.A Pres
Guido Silva, que defendeu seu cinturão pela primeira vez no torneio deste fim de semana, reconhece que perdeu amigos para a criminalidade. Foto: Brenda Alcantara/Esp DP/D.A Pres

Funcionário do aeroporto Internacional do Recife/Guararapes - Gilberto Freyre, Guido - assim com Arly - sonha com o dia em que poderá viver somente do muay thai. “Hoje em dia, minha rotina ainda é muito dura. Treino duas vezes por dia e nem sempre consigo jantar antes de ir trabalhar.” Ainda assim, ele reconhece que muita coisa já mudou. “Perdi muitos amigos para a criminalidade, para as drogas. Teve uma época em que pensei que esse também seria o meu destino. Foi quando o muay thai apareceu na minha vida e mudou tudo. Antes, eu era só mais um na favela. Hoje em dia, sinto que as pessoas olham pra mim de uma forma diferente. Sou tratado como um atleta de verdade. Conquistei o respeito da comunidade com as atitudes do dia a dia.”

RESULTADOS

Lutas Semiprofissionais (B Class)

56kg - Noellison "Pintinho" Silva (Siam Fight - SE) venceu Julio "Alemão"  Mateus (New Evolution Fight Team - PE) por decisão unânime após 3 rounds;

68kg - Leandro Maximo (Equipe Pernambucana Leões do Muaythai - PE) venceu Félix Soller (MXA Fight Club - PE) por nocaute técnico no 1° round;

61kg - Ellen Barbosa (Siam Fight MuayThai - SE)  venceu Shirlleynalva Andrade (Equipe JC - RN) por decisão unânime após 3 rounds.

Lutas Profissionais (A Class)
71kg - Geisel Gregore (Black Tiger MuayThai - PE) venceu André Silva (Hanuman MuayThai - RN) por nocaute técnico (desistência) no 1° round;

68Kg - José Arly (Black Tiger MuayThai - PE) venceu Claudio Eduardo (Equipe JC - RN) por nocaute técnico (desistência) no 2° round;

CINTURÃO 66kg - Rafael Avatar (Siam Fight MuayThai - SE) venceu Severo "Aranha" (Tiger MuayThai - RN) por decisão unânime e permaneceu com o cinturão da categoria no evento;

CINTURÃO 61kg - Genivaldo "Dalsin" (Troia MuayThai - SE) e Guido Silva (Black Tiger MuayThai - PE) ficarem sem resultado por golpe ilegal não intencional no 4° round. Guido permaneceu com o cinturão da categoria no evento



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.