Cruzeiro O maior navio em linha reta do mundo Para recifense nenhum botar defeito, o Harmony of the Seas tem números à altura da nossa mania de grandeza

Por: Érica de Paula - Diario de Pernambuco

Publicado em: 20/11/2016 17:07 Atualizado em: 20/11/2016 19:20

Na última semana, o gigante partiu de Fort Lauderdale, na Flórida, para sua viagem inaugural por águas caribenhas. 
Foto: Royal Caribbean/Divulgação
Na última semana, o gigante partiu de Fort Lauderdale, na Flórida, para sua viagem inaugural por águas caribenhas. Foto: Royal Caribbean/Divulgação

Port Everglades, Estados Unidos
 -  Se apenas olhando esta foto o Harmony of the Seas impressiona, pessoalmente ele deixa qualquer um boquiaberto. O mais novo navio de cruzeiro da armadora Royal Caribbean tem mais de 220 mil toneladas, 362 metros de comprimento e capacidade para 5.497 hóspedes (sem contar com a tripulação). Na última semana, ele partiu de Fort Lauderdale, na Flórida, para sua viagem inaugural por águas caribenhas, onde tem diversas saídas programadas para as temporadas de 2016, 2017 e 2018. O Harmonia dos Mares, em bom e velho português, é hoje o maior navio do mundo. E apenas esta frase deixaria qualquer recifense com mania de grandeza satisfeito. Mas esse gigante dos mares surpreende em cada detalhe.

Chegando no porto na Flórida, o procedimento é padrão de qualquer aeroporto que você já tenha visitado. As malas passam por um raio x e você por um detector de metais. Após isso, hora de fazer o check-in e de esperar o embarque em um enorme salão onde o chamado é feito por grupos. Entrar no navio é o segundo impacto.  Aportamos no deque 5, no Royal Promenade, um dos sete bairros icônicos da embarcação. Sim, isso mesmo: b-a-i-r-r-os. Eles são uma assinatura dos navios da classe Oasis da Royal Caribbean. Segmentam as áreas das embarcações por faixa etária, por preferência em experiências ou estilo de vida.
 
Vinte e quatro elevadores, 12 em cada uma das pontas, nos levam através dos seus 18 deques. Hora de deixar as malas no quarto e começar a desbravar o navio. São 2.747 acomodações: suítes de luxo, cabines com varandas com vista para o mar e para os bairros Boardwalk ou o Central Park e cabines internas, algumas equipadas com exclusivas varandas virtuais, que reproduzem os sons e imagens do ambiente externo por meio de uma tela de LCD. Mas acredite, dormir é uma das últimas coisas que você pensa em fazer.

O AquaTheater é um anfiteatro com capacidade para 700 pessoas que irão conferir acrobacias e performances aéreas dos show aquático The Fine Line.
O AquaTheater é um anfiteatro com capacidade para 700 pessoas que irão conferir acrobacias e performances aéreas dos show aquático The Fine Line.
Solteiro? Casado? Com filhos? Mais de 60 anos? Não importa. Entretenimento para todas as idades é quase o lema do navio. Apresentações no ar, na água e no gelo. Boates, teatros, shows de jazz, blues e soul. Cassino, parque aquático, quadras esportivas, tirolesas, spa e academia. E quem quiser gastar um pouquinho a mais, também pode aproveitar para fazer umas comprinhas em lojas de roupas, joias, perfumes (tem um dutty free!).  Difícil, na verdade, é escolher o que fazer.

Para manter o pique, o Harmony conta com nada mais que 20 restaurantes. Entre eles o Jamie’s Italian, grife do famoso chef britânico Jamie Oliver; o asiático Izumi, de Travis Kamiyama e o Wonderland, inspirado no filme Alice no país das maravilhas. E não se preocupe, o buffet incluso no pacote conta com uma infinidade de opções de saldas, frios, massas, pães, doces... Não é exagero. Tudo neste navio tem um “q” de superlativo.

* a repórter viajou a convite da R11, distribuidora oficial da Royal Caribbean para a América Latina.

Você conhece ou já ouviu falar de algum desses monumentos espalhados pelo mundo. O comprimento do Harmony deixa todos eles, sem exceções, no chinelo.
Você conhece ou já ouviu falar de algum desses monumentos espalhados pelo mundo. O comprimento do Harmony deixa todos eles, sem exceções, no chinelo.


Marinheiro de primeira viagem
Com tanta imponência é comum imaginar que fazer uma viagem em um cruzeiro seja algo para extrapolar o orçamento. Mas, acredite, fazer uma viagem como essa, além de oferecer muitas vantagens, não é programa só para barão. Tudo depende, é claro, de organização (como em qualquer outra viagem). Fizemos uma simulação para sete noites em um  cruzeiro pelo oeste do Caribe, com direito a três paradas: Labadee, uma praia particular no Haiti; Falmouth, um dos destinos mais excepcionais da Jamaica; Cozumel, uma paradisíaca ilha no México. Para Ricardo Amaral, presidente da R11, distribuidora exclusiva do grupo Royal Caribbean na América Latina, uma das grandes vantagens de fazer um cruzeiro é não se preocupar com traslados. “Você passa o dia inteiro em um lugar novo e, enquanto você dorme, o navio te leva para um novo destino”, explica. E não é só isso. No navio a tarifa cobre acomodações, refeições (lanchonetes, restaurante principal - com um buffet gigante), entretenimento (teatro, surfe, tobogã, academia..) e o Adventure Ocean (programa para jovens e adolescentes, para você não se preocupar com a garotada). Bebidas, alcoólicas ou não, são por fora. Assim como os restaurantes de especialidades (como o Wonderland).

Fora da rota - Desde do ano passado o Brasil não faz parte mais da rota de cruzeiros da Royal. O motivo? Burocracia. “Não há planos de voltar, mas um dia vamos, com certeza. Taxas nos portos, leis de trabalho, tudo se torna muito difícil. O interesse continua, mas as operações são complexas”, explica Ricardo. Toda a papelada é refletida em números. Se em 2010 chegamos a ter 20 navios viajando pela costa brasileira, para a temporada de 2016, que começou agora em novembro, apenas seis estão confirmados.



Conheça mais um pouco do Harmony of the Seas

The Ultimate Abyss: o mais alto tobogã em alto-mar, com uma queda de mais de 30 metros que permite alcançar 14 km/h.



O Bionic Bar parece ter saído direto do desenho animado os "Jetsons". Com decoração futurista,  centenas de garrafas ficam penduradas enquanto abaixo, dois braços robóticos preparam qualquer drink que o hóspede quiser.






Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.