França As belezas e encantos dos castelos de Orléans, capital do Loire A cidade e a porta de entrada para uma das regiões mais belas da França. A matéria completa você verá em janeiro no Turismo do CB

Por: Juliana Saad - Especial para o Correio - Correio Braziliense

Publicado em: 04/01/2016 10:56 Atualizado em: 04/01/2016 20:55

 (Divulgação/Château de La Ferté Saint-Aubin)

Um voo te leva a Paris e, uma hora e meia de estrada depois, você chega a Orléans, a capital do Loire e porta de entrada para uma das regiões mais encantadoras da França. Deixe-se levar pela magia nessa viagem pictórica pelo Loire.

1 - O Château de La Ferté Saint-Aubin foi construído no século 16 em meio a Floresta de Sologne. Dos amplos jardins aos cômodos internos devorados com móveis de época, uma profusão de enfeites recebe os visitantes. Fica a 18km de Orléans e tem uma bela cozinha onde se pode fazer degustações (ah, as pequenas madeleines acompanhadas de chocolate quente!) locais, além de aulas. www.chateau-ferte-st-aubin.com

2 - Château de Chambord Magnifique é pouco para descrever tanta beleza! O Château de Chambord, um dos mais belos do Vale do Loire, com suas torres assimétricas, colunas, fosso e jardins. O castelo renascentista foi construído pelo Rei Francisco I, no séc. 16. Leonardo da Vinci projetou a engenhosa escada dupla hélice que adorna o poderoso hall principal. Fica dentro de um parque, na Floresta de Sologne. Foram necessários 150 anos para erguer Chambord, e esse castelo magnífico - e o maior do Loire - vale cada segundo. www.chambord.org

3 - Château Royal de Blois - O Castelo de Blois - inserido na paisagem urbana de Blois, cidade real de 2 mil anos nas margens do Rio Loire - foi residência de sete reis e de dez rainhas da França. Esse monumento histórico e Museu de Belas Artes da França, com sua arquitetura mista (com alas que vão da idade média ao renascimento) e história, representa a síntese dos castelos do Loire. www.chateaudeblois.fr

4 - O Château de Cheverny está na mesma família há 6 séculos e fica em um parque cercado pela floresta de Sologne. Hergé, o criador de Tintin, se apaixonou pelo lugar e, por isso, o castelo aparece nos quadrinhos do personagem.

5 - O Château de Valençay foi erguido entre os sécs 16 e 17 e serviu de residência a: Charles-Maurice de Talleyrand-Périgord, o nobre ministro das Relações Exteriores de Napoleão. Talleyrand, que adorava receber, teve Carême como chef residente. O castelo foi palco de histórias de política, (o príncipe espanhol foi prisioneiro deluxe ali no início do séc. 19), traição, amor e guerra. Construído no século 16 é um dos mais preservados do Loire, com seu mobiliário de época, grandes jardins, cozinhas impecáveis e teatro que recebe festivais locais. Adorável! www.chateau-valencay.fr

6 - O Château de Chenonceau, erguido entre 1514–1522, é considerado um dos mais belos do mundo, com seus arcos e galerias dependurados sobre as águas do Rio Cher. Duas mulheres importantes da história da França - Diane de Poitiers e Catharina de Médicis - disputaram a propriedade dada pelo rei Henrique II à Diane, a amante. A rainha Catharina o retomou da rival após a morte do marido. Chenounceau serviu de hospital durante a 1a Guerra e foi moradia de vários personagens interessantes. Seus jardins, em estilo francês, são famosos. Catharina de Médicis adorava-os. As cozinhas do Castelo de Chenounceau ficam no porão, com janelas que se abrem sobre o Rio Cher com seus vários e amplos cômodos. Grandes lareiras, salas de carne (açougues com resfriamento de carnes com água do rio e mesas de corte) e centenas de utensílios de cobre, ferro, madeira e cerâmica. Daqui, saíam refeições para cerca de 200 pessoas. Cascatas de orquídeas, rosas, gérberas etc são um festim para os olhos. www.chenonceau.com

 (Divulgação/Château de Amboiseão)

7 - O Château de Amboise foi o primeiro castelo renascentista a ser construído no Val de Loire pelo Rei Carlos VIII. Após a sua morte, Ana da Bretanha, a rainha viúva, casou-se com o sucessor e primo do marido, o Duque de Orléans, que se tornou o Rei Louis XII. Ela foi rainha duas vezes. Tudo isso para que a Bretanha continuasse a pertencer a França. A vista do castelo - situado em um promontório sobre a cidade - abrange toda Amboise e o Rio Loire e ganha ares de conto de fadas com a paisagem dos grande parque com seu jardins geométricos que circundam o Chateau. Leonardo da Vinci foi enterrado na capela externa do castelo. Ele morou na cidade de Amboise nos últimos anos de sua vida, a convite do Rei Francisco I. As doçuras locais são necessárias, em especial as do charmoso Salon de Thé Bigot, confeitaria / restô que existe desde 1913 no mesmo local e com a mesma família. As receitas de doces (a éclair de chocolat é uma loucura!) atraem gulosos como abelhas ao mel. Almoçar aqui -e se fartar com rilletes, quiches e mil folhas salgados - é obrigatório. www.chateau-amboise.com e www.maisonbigot-amboise.com

 (Divulgação/Castelo de Clos-Lucé )

8 - Castelo de Clos-Lucé A cidadezinha de Amboise é uma graça e foi aqui que Leonardo da Vinci passou os últimos anos de sua vida, a convite do Rei Francis I. Ele veio da Itália a pé trazendo consigo 3 obras primas, entre as quais a Monalisa. Chegou na corte do rei (que o admirava profundamente) em 1516 e recebeu o Castelo de Clos-Lucé de presente. E foi nesta casa que ele morreu, em 1519, aos 67 anos de idade. Em 2016 que vem haverá uma grande retrospectiva de sua obra em Clos-Lucé, em homenagem aos 500 anos de sua morte. As rosas do jardim são da variedade Monalisa. www.vinci-closluce.com

 (Divulgação/Château de Chaumont)

9- O Château de Chaumont foi erguido no início do séc 16 sobre um um castelo do séc 10. No séc 19 já tinha eletricidade, água encanada e aquecimento, graças aos últimos proprietários privados, os ricos e excêntricos Príncipes de Broglie, que receberam tout grand monde no castelo em festas memoráveis entre 1875-1938. Antes disso, Chaumont pertenceu a Catarina de Médicis, que usava o château para receber astrólogos (como Nostradamus) e depois enviou p/ cá Diane de Poitiers, a amante do seu marido, Henrique II (lembra o post do Château de Chenonceau?), após a morte do rei. Bem conservado e muito bonito, o Château abriga um famoso festival de jardins, além de exposições de artistas como - El Anatsui e Henrique Oliveira - que traz obras contemporâneas para dentro do castelo. Estufas exibem plantas exóticas em antigos estábulos e velas iluminam o parque e o castelo em ocasiões especiais. O clima é mágico. www.domaine-chaumont.fr

A jornalista viajou a convite da Atout France, Loire Tourism e Air France.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.