Por terra Viagens de ônibus mostram que o caminho é tão importante quanto o destino As passagens mais baratas, além da vantagem de fugir da confusão dos aeroportos, atraem passageiros que optam por colocar o pé na estrada

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 17/12/2015 15:15 Atualizado em:

 (Marcelo Ferreira/CB/D.A. Press)

Avião é para os fracos; os fortes cruzam as fronteiras do país ou as regiões brasileiras de ônibus. Apesar das horas de viagem, o transporte é uma opção mais acessível para quem deseja conhecer alguns países da América do Sul ou se aventurar pelo interior do Brasil.

Com a aproximação das festas de fim de ano, época perfeita para aproveitar alguns dias de férias e descansar, o aumento no número de viagens é iminente, além de a possibilidade de aeroportos lotarem e o preço das passagens aéreas subirem a alturas de voo de cruzeiro. Para quem deseja fugir das filas intermináveis e economizar uma graninha, viajar de ônibus pode ser uma opção viável.

O professor Nilton Aguilar, 26 anos, já viajou para Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile de ônibus e conta que as passagens têm preço justo. "É uma maneira de ver as semelhanças e as diferenças de cada país. Mesmo em locais onde o ônibus é mais luxuoso, como no Chile e no Uruguai, os bilhetes ainda são acessíveis a todos. O valor não sofre com a mesma flutuação de preços que sofrem as passagens aéreas", relata.

 (Arquivo pessoal)

Para Nilton, o caminho é tão importante quanto o destino. "Não tem nenhuma outra forma de transporte que você consiga observar o caminho tão bem como o ônibus". O professor diz ainda que, durante as viagens, descobriu algumas dicas interessantes com os moradores das cidades. "Em todas elas, eu viajei sozinho e conheci muita gente. Alguém sempre ocupava o assento ao lado e começava a puxar assunto. Acabei conseguindo algumas informações legais sobre os países só conversando com as pessoas dentro do ônibus", completa.

Os ônibus são confortáveis e algumas empresas, tanto nacionais quanto internacionais, contam com alguns mimos para os passageiros. "Quando eu voltei de Buenos Aires, para Porto Alegre, pela empresa Pluma, os comissários de bordo ofereceram água, alfajores e balinhas; só alguns petiscos mesmo".


Opções de rotas

Utilizar o ônibus em viagens nacionais pode ser uma boa alternativa para o viajante cujo destino não é rota direta de voos, ou quando não há passagens disponíveis e, em casos mais dramáticos, quando não se consegue uma passagem aérea.

O que você faria se já tivesse tudo preparado para viajar e descobrisse, na última hora, que comprou a passagem errada? A estudante Jacqueline Santana, 20 anos, não teve alternativa. Decidiu viajar de ônibus para São Paulo ao descobrir que conseguiu comprar apenas o bilhete de volta numa companhia aérea.

Apesar do transtorno inicial, a jovem garante que a experiência foi proveitosa e uma oportunidade única de conhecer algumas estradas. "Fiquei um pouco apreensiva, porque um conhecido foi assaltado em um ônibus que fazia a mesma rota que a minha, mas acho que a viagem valeu a pena. O ônibus era muito confortável e estava vazio, então, apesar de ter escolhido um lugar na hora de comprar a passagem, eu ocupei uma poltrona onde achei melhor", relembra.

Para Jacqueline, além do conforto e da sensação de exclusividade, o valor das passagens e a facilidade na hora da compra são alguns dos outros benefícios da viagem de ônibus. "Como eu já tinha visto todos os preços e os horários no site da empresa, foi tranquilo comprar a passagem. Na época, eu paguei cerca de R$ 180. Levando em conta o trajeto e as condições do ônibus, achei o valor justo. E, sinceramente, achei as poltronas mais confortáveis dos que as de aviões; têm mais espaço".

A estudante, no entanto, sentiu falta de um serviço wi-fi, já que a viagem é longa e seria uma boa forma de vencer o tempo. "O ônibus não tinha wi-fi nem serviço de bordo. E olha que foi uma viagem de 13 horas. A gente só comia alguma coisa e esticava as pernas quando o motorista parava para descansar", completa.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.