Vou casar, e agora? Um matrimônio requer muito cuidado e gastos. Uma alternativa é cerimônia coletiva

Publicação: 29/04/2017 03:00

Para muitas pessoas o casamento é a realização de um sonho, mas o que fica em segundo plano na hora de planejar são os gastos. Por isso o susto quando se coloca tudo na ponta do lápis.

Algumas alternativas podem ser feitas para diminuir os gastos, entre elas optar por um casamento coletivo. “No Fórum do Recife, todas as quarta-feiras tem a realização das cerimônias”, explica a sócia-gestora do direito da família do escritório Queiroz Cavalcanti Advocacia e especialista em direito da família Juliana Wallach.

Para a realização da conjugação sem os pré-requisitos da igreja é apenas necessário levar as documentações exigidas como certidão de nascimento e identidade. “Para as pessoas que podem pagar é cobrada uma taxa, mas para os que não têm condições existe a isenção”, esclarece Juliana. A advogada ainda aponta a quantia que é gasta apenas para a oficialização. “Há dois anos atrás o valor era de R$ 600, um valor que nem todos podem pagar”, aponta.

A principal diferença entre um casamento individual e um coletivo é basicamente o número de casais em união. “Quando existe mais de um par, o juiz chama cada um separadamente e faz todas as perguntas que são feitas normalmente”, afirma a especialista. O sermão realizado pelo juiz é a principal diferença entre as formas, já que no casamento coletivo o discurso é para todos de uma vez só.

Para os que não dispensam a união dentro da igreja, Juliana afirma que existe a possibilidade da realização da cerimônia sem muitos gastos. “Em alguns casos, a própria igreja católica permite o casamento coletivo, seguindo o mesmo processo de um juiz”, aponta.

No Recife existem diferenças entre os juizes, o que não ocorre em algumas cidade no interior do estado, por exemplo. No caso da capital, as uniões só podem ser realizadas por um juiz da Vara de Família, exceto em alguns casos.

“Quando existe um juiz amigo, ou da família, existe a possibilidade dele realizar a cerimônia”, afirma Juliana.

Para essa solicitação se faz necessário preencher um requerimento e aguardar a liberação do tribunal de justiça. Após a liberação do TJ e do juiz que seria o responsável o casamento pode ser realizado.

O fórum onde será realizado a cerimônia deve ser localizado próximo à casa de um dos cônjuges. “Após a entrega dos documentos existe um prazo para confirmação de dados, geralmente de uma semana, mas se houver muita demanda o prazo aumenta”, aponta a advogada.

Existem alguns problemas que podem ser constatados durante a confirmação e que chegam até a impedir a união. “Geralmente o problema é a falta de documentos, nesse caso o fórum dá um outro prazo para a regulamentação. Mas caso conste que um dos cônjuges já é casado, o novo casamento é impedido”, afirma Juliana.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.