crise na venezuela Brasil ainda não tem canal de diálogo com o regime de Maduro, diz ministro

Por: AE

Publicado em: 01/03/2019 11:57 Atualizado em:

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou nesta sexta-feira, 1º de março, que o Brasil não irá interceder nas negociações que a Venezuela está realizando com outros países. Ele disse também que o governo brasileiro ainda não tem um canal de diálogo com o regime de Nicolas Maduro, embora o presidente Jair Bolsonaro tenha dito nesta quinta que pode conversar com ele.

De acordo com o chanceler, o Brasil ainda não avalia qualquer tipo de intervenção militar no país vizinho. Ele voltou a destacar que as negociações devem ser feitas a partir do diálogo.

Araújo afirmou que a visita do líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, ao Brasil, na quinta-feira, foi importante para sedimentar as relações entre o governo brasileiro e o grupo oposicionista do país vizinho. "A visita de Guaidó nos deixou mais confiantes de que ele pode ser o centro da redemocratização. Foi fundamental porque ele nos mostrou que é uma alternativa séria, capaz de transformar o seu país", disse.

Araújo afirmou que o Brasil ainda está disposto a continuar com as tentativas de ajuda humanitária, mas novas incursões para levar alimentos e medicamentos à Venezuela dependerão de como caminha a situação ma fronteira com o Brasil. 

Segundo o chanceler, ainda não há data para uma nova tentativa. Ele, no entanto, ressaltou que as 200 toneladas de alimentos que não puderam ser entregues nas primeiras tentativas não são perecíveis e têm prazo de validade longo.

Agenda
Araújo de reuniu no período da manhã com o vice-presidente Hamilton Mourão para discutir uma agenda para o grupo bilateral Brasil-China. A intenção é marcar uma nova reunião em breve.

O chanceler também confirmou que Bolsonaro viajará ao Chile, Estados Unidos e Israel ainda em março.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.