Peculato Presidente da Empresa de Urbanização de Igarassu suspeito de contratar funcionários fantasmas Pessoas não sabiam que estavam listadas como empregadas e não trabalhavam

Publicado em: 26/02/2019 07:29 Atualizado em: 26/02/2019 08:37

Material apreendido foi encaminhado para a Delegacia de Paulista. Foto: divulgação/Polícia Civil
Material apreendido foi encaminhado para a Delegacia de Paulista. Foto: divulgação/Polícia Civil
Trinta pessoas apontadas como funcionárias fantasmas da Prefeitura de Igarassu prestaram depoimento à Polícia Civil e confirmaram as suspeitas: um esquema de "contratação" liderado pelo presidente da Empresa de Urbanização de Igarassu (URBI), Roberto Burle Arcoverde, previa um salário de R$ 2 mil para cada trabalhador, mas como eles não sabiam sequer desses empregos, não trabalhavam.

A equipe da Operação Urbanizar, como é chamada pela polícia, calcula um prejuízo mínimo mensal aos cofres públicos de R$ 60 mil, já que outras pessoas podem estar envolvidas como funcionárias fantasmas. Nesta manhã, foram cumpridos três mandados de prisão e sete mandados de busca e apreensão domiciliar.

Segundo o delegado Ivaldo Pereira, também estão envolvidas a vice-presidente da URBI, Miriam de Almeida Tenorio, e a secretária Sheyla Glaucia da Paz Teixeira Albuquerque. “Depois eles chegaram a prometer emprego a essas pessoas para evitar que elas denunciassem o esquema”, afirmou o delegado. Os crimes são de peculato e associação criminosa.




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.