reforma da previdência PDT cobra contribuição patronal para defender a reforma da Previdência

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 20/02/2019 08:14 Atualizado em:

Benevides pode ficar com a presidência da Comissão de Seguridade Social e Família. Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Benevides pode ficar com a presidência da Comissão de Seguridade Social e Família. Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Caso o modelo de capitalização seja um dos incluídos na reforma da Previdência, que será apresentada hoje à nação e ao Congresso Nacional pelo presidente Jair Bolsonaro, a alteração terá de conter a contribuição patronal, caso contrário, o governo não terá o apoio do PDT. O partido pode ficar com a presidência da Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) da Câmara. Tem sido especulado que o modelo se baseasse no chileno, que só conta com o aporte do trabalhador. O PDT reuniu o diretório nacional ontem para discutir sobre o modelo que pretende defender da mudança previdenciária.

Para o deputado federal Mauro Benevides (PDT-CE), convidado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para integrar a mesa da CSSF, a contribuição patronal é essencial para o partido apoiar o modelo de capitalização. “Esse, nós não abrimos mão. Eu prefiro ter um modelo que conte com a obrigatoriedade da contribuição patronal”, garantiu.

O sistema de capitalização foi implantado pelo Chile como um modelo moderno, mas que, ao longo do tempo, se mostrou problemático e têm levado parte da população à pobreza, lembrou o também economista. Benevides defendeu que a Previdência tenha um “piso social” de um salário mínimo. “O trabalhador, que já é pobre e não consegue se aposentar com nada, não poder ganhar um salário, é injusto”, afirmou. Ex-candidato a presidente, Ciro Gomes, que exerce uma forte presença no partido, informou à imprensa que a legenda pretende “abrir um grande debate” sobre a questão previdenciária, para poder “conter danos” e que devem exigir a contribuição patronal durante os trâmites no Congresso.

PSB
Com a intenção de apresentar a reforma da Previdência aos congressistas mais alinhados com o governo ou simpatizantes, o Planalto convidou o PSB para um café da manhã na quinta. O partido, no entanto, decidiu em reunião, convocada pelo líder, que não comparecerá ao encontro. Segundo Tadeu Alencar (PE), líder na Câmara, a legenda não terá impedimentos para dialogar com o governo, mas decidiu declinar por não possuir pauta formal definida. “Se for sobre a reforma, amanhã (hoje) seria encaminhado e na quinta (amanhã) já seria o encontro, sem que tivéssemos analisado a proposta”, esclareceu o deputado. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.