justiça Empresas terão de arcar se estiverem envolvidas, diz Anfavea sobre delação de Palocci Palocci disse, em depoimento à Justiça Federal, que Lula negociou com lobista pagamentos a Luís Cláudio Lula da Silva, seu filho caçula, para a aprovação de uma Medida Provisória

Por: AE

Publicado em: 06/12/2018 13:40 Atualizado em:

Foto: Reprodução / Twitter
Foto: Reprodução / Twitter
O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, afirmou nesta quinta-feira (6) que, se as acusações na delação do ex-ministro Antonio Palocci sobre as montadoras forem comprovadas, as empresas envolvidas "naturalmente terão de arcar com as responsabilidades".

Palocci, que foi ministro da Fazenda no primeiro mandato do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e chefe da Casa Civil de Dilma Rousseff, disse nesta quinta, em depoimento à Justiça Federal do Distrito Federal, que Lula negociou com o lobista Mauro Marcondes Machado, do setor automobilístico, pagamentos a Luís Cláudio Lula da Silva, seu filho caçula, para a aprovação de uma Medida Provisória que tinha como finalidade prorrogar incentivos fiscais de montadoras instaladas nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

O presidente da Anfavea, após ser questionado por jornalistas sobre o assunto, garantiu que "setorialmente não aconteceu nada". 

"Pode ter ocorrido com uma ou outra empresa, mas eu prefiro ver o depoimento dele, ao qual eu ainda não tive acesso, para tecer maiores comentários", disse Megale.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.