Novo Governo Presidente eleito começa hoje a receber bancadas de partidos na Câmara Interlocutores do pesselista e líderes das siglas admitem que é o início das negociações para a formação da base governista

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 04/12/2018 07:33 Atualizado em: 04/12/2018 08:17

(foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
(foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

A temporada para o diálogo com os partidos políticos está aberta. Quase um mês após o início dos trabalhos no governo de transição, o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), vai receber pessoalmente hoje e amanhã as bancadas do MDB, PR, PRB e PSDB na Câmara. Interlocutores do pesselista e líderes das siglas admitem que é o início das negociações para a formação da base governista. Dessa forma, a coordenação política de transição deixa de lado conversas apenas com frentes temáticas e inicia uma nova fase de articulação, com as legendas. Abre-se, assim, o espaço para debates sobre o apoio a reformas, sugestões para indicações de cargos para o segundo e terceiro escalões e até sobre a Presidência da Câmara.

A estratégia do presidente eleito em dialogar com frentes parlamentares — e não com bancadas partidárias — era evitar qualquer indício da política de troca de cargos por apoio no Congresso, o “toma lá da cá”. Com essa tática, ele indicou o deputado Osmar Terra (MDB-RS) para o Ministério da Cidadania, o deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) para o Ministério da Saúde, e a deputada Tereza Cristina (DEM-MS) para o Ministério da Agricultura.

O modelo, no entanto, se esgotou. O diálogo dos partidos com o presidente eleito era um pedido reiterado dos parlamentares para a coordenação política de Bolsonaro. O líder do PR, deputado José Rocha (BA), se encontrou em três ocasiões com o futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM). “Com o Bolsonaro, será a primeira vez”, afirmou.

A reunião com deputados do MDB e PRB ocorre hoje. Amanhã, Bolsonaro se encontra com a bancada do PR, e também receberá o PSDB, do deputado e senador eleito Izalci Lucas (DF). O parlamentar nega, no entanto, que as reuniões com as bancadas sejam uma mudança do discurso, mas, sim, a coerência pela governabilidade. “Ele não voltou atrás. Apenas sabe que quem escolhe os representantes nas comissões são os líderes. Não há como ter governabilidade e costurar o espaço político nas comissões da Câmara sem os partidos”, explicou.

São os líderes das legendas que indicam os membros de uma comissão. Ou seja, como o governo tem a pretensão de aprovar projetos da agenda econômica e conservadora, será necessário ter o apoio dos partidos para o encaminhamento do processo de votação no Parlamento. Sobretudo para aprovar matérias mais difíceis, como a reforma da Previdência, ressalta o deputado Celso Russomanno (PRB-SP), líder do partido na Câmara.

A aprovação de qualquer reforma que altere regras para aposentadoria de servidores públicos deve ser feita por meio de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que exige 308 votos de deputados e 49 senadores. “O PRB é o partido que mais cresceu depois do PSL. Estamos alinhados e vamos discutir essa questão para sairmos da crise”, sustentou Russomanno. O líder do PRB nega qualquer intenção de condicionar o apoio a Bolsonaro em troca do suporte do PSL à candidatura do deputado João Campos (PRB-GO) à Presidência da Câmara. Admite, no entanto, que é um tema que pode ser conversado. “Pode ocorrer de o assunto ser debatido. Não existe a intenção de abandonarmos a candidatura, e, sim, fortificá-la”, garantiu.

Indicações

Embora os líderes desconversem sobre indicações para os segundo e terceiro escalões na equipe do governo, a participação de ex-parlamentares no futuro governo ou de deputados que não conseguiram a reeleição é uma realidade. O deputado Leonardo Quintão (MDB-MG) não conseguiu a reeleição e vai compor uma das secretarias que será responsável por auxiliar Lorenzoni na articulação política, admite o deputado Darcísio Perondi (MDB-RS). “Leonardo me disse que iria cooperar. Tem ótima capacidade para o desempenho dessa função”, ponderou.

Outro político que se uniu ao governo é o deputado Marcos Montes (PSD-MG), confirmado para a secretaria executiva do Ministério da Agricultura. Outro nome ventilado para comandar uma secretaria na pasta é o deputado Valdir Colatto (MDB-SC), também é estudado para ocupar a Secretaria de Agricultura na gestão do governador eleito de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL).

A escolha dos segundo e terceiro escalões deve seguir os mesmos princípios do primeiro escalão, em que políticos e técnicos se dividem na composição da equipe ministerial, admitiu, ontem, Lorenzoni. “Vamos buscar pessoas com capacitação. Nada impede que a bancada indique alguém, mas não com espírito operativo (com intuito de praticar o toma lá da cá)”, declarou. Com o apoio das bancadas, o futuro ministro calcula ter 330 votos na Câmara — podendo chegar a 350 — e cerca de 40 no Senado. “Mas, claro, que ainda tem muita conversa pela frente”, declarou.

O novo modelo de negociações de Bolsonaro era previsto pelo analista político Antônio Augusto, diretor de Documentação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Para ele, o cenário daqui pra frente aponta para um governo com muitos ex-parlamentares acomodados nos segundo e terceiro escalões. “Primeiro, buscou demonstrar coerência com o discurso apresentado nas eleições e conversou com frentes para evitar a caracterização de loteamento político. Agora, não apenas vai negociar, como recrutar deputados com alguma afinidade em algum setor para se eximir de uma suposta incoerência”, analisou.
 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.