CLJ da Câmara do Recife aprova título de cidadão para o general Mourão Matéria é de autoria do vereador Marco Aurélio (PRTB), primeiro-secretário do Poder Legislativo

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 03/12/2018 17:52 Atualizado em: 03/12/2018 19:30

Maurco Aurélio (PRTB) é do mesmo partido do general Mourão. Crédito da Foto: Câmara do Recife/divulgação
Maurco Aurélio (PRTB) é do mesmo partido do general Mourão. Crédito da Foto: Câmara do Recife/divulgação

A Comissão de Constituição, Legislação e Justiça da Câmara do Recife aprovou, ontem, o Projeto de Decreto Legislativo de número 34/2018, de autoria do vereador Marco Aurélio (PRTB), que concede o título de cidadão recifense ao general de Exército Antônio Hamilton Martins Mourão, o vice-presidente eleito. O parecer foi apresentado pelo relator e presidente do colegiado, Aerto Luna (PRP). A matéria também passou pelo crivo da Comissão de Educação e já pode ser incluída na pauta de votações do plenário nesta semana.


Segundo o vereador Marco Aurélio, a proposição deve ir ao plenário até quarta-feira (5) e o título será entregue de acordo com a agenda do general, que receberá uma surpresa. “Eu conheço o general, ele é do meu partido. Na campanha deste ano, ele gravou um vídeo me dando apoio, nós nos aproximamos porque fui a uma reunião do partido em São Paulo, entre o primeiro e segundo turno. Na ocasião, ele falou que tem muito carinho pelo Recife”, disse o vereador.

De acordo com Marco Aurélio, general Mourão serviu no Recife de 27 de setembro de 1982 a dois de janeiro de 1985. Ele lembrou que o militar teve uma filha (Renata) e um filho (Antônio), da esposa já falecida, e Renata nasceu na capital pernambucana na década de 1980. “O general me disse que não esquece o Recife e que sempre vem aqui nas férias, ele vinha muito de forma anônima. Por isso, com a entrega do título, quem ganha é a nossa cidade. Quando as pessoas o conhecerem, vão ver que ele é uma pessoa extremente culta”, afirmou.

Para o vereador, o título de Cidadão também é um gesto político. Da mesma forma que foi a proposição da Mesa Diretora em relação ao presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL). O projeto que homenageia Bolsonaro, aliás, pode entrar em pauta sem precisar passar pelas comissões, por ter sido proposto pela Executiva da Casa. "É importante que as pessoas entendam que passou a eleição. Gostem ou não dele, ele será nosso futuro presidente, o Recife, Pernambuco e o Nordeste vão precisar dele", declarou. 

 

O polêmico vice de Bolsonaro é natural do Rio Grande do Sul, da cidade de Porto Alegre. É filho do general de divisão Antônio Hamilton Mourão e de Wanda Coronel Martins Mourão (ambos amazonenses). Ingressou no Exército em fevereiro de 1972, na Academia Militar das agulhas Negras (AMAN), onde, em 12 de dezembro de 1975, foi declarado aspirante a oficial da Arma de Artilharia. Atualmente, é viúvo com filhos.

General Mourão tem formação de aperfeiçoamento, de altos estudos militares da escola de Comando e Estado-Maior do Exército e do curso de Política, Estratégia e Alta Administração do Exército. Tem 49 anos de serviços, de 1969 a 2018.

Durante sua vida militar, foi instrutor da Academia Militar das Agulhas Negras, cumpriu Missão de Paz em Angola - UNAVEM III - e foi adido militar na Embaixada do Brasil na Venezuela. Comandou o 27° Grupo de Artilharia de Campanha em Ijuí (Rio Grande do Sul), a 2ª Brigada de Infantaria de Selva em São Gabriel da Cachoeira (Amazonas), a 6ª Divisão de Exército e o Comando Militar do Sul, estes últimos sediados em Porto Alegre. Deixou o serviço ativo em 28 de fevereiro de 2018, sendo transferido para a reserva remunerada. Filiou-se ao PRTB e ingressou na política, sendo candidato à vice-presidência da República na chapa de Jair Bolsonaro, atualmente eleito.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.