ministro-chefe Etchegoyen defende cautela na segurança da posse de Bolsonaro O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional lembrou o atentado sofrido por Bolsonaro no primeiro turno da campanha e afirmou que ele ainda é alvo de %u201Cagressões frequentes nas midias sociais%u201D

Por: Agência Brasil

Publicado em: 03/12/2018 13:28 Atualizado em:

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, afirmou nesta segunda-feira (3) que a segurança na posse do presidente eleito, Jair Bolsonaro, em 1º de janeiro, deveria ser marcada por cautela. Questionado se recomendaria o desfile em carro aberto, o ministro disse que “a segurança sempre assessora, mas a decisão é do presidente [eleito]. Eu presidiria tudo por cautela”.

 

Etchegoyen lembrou o atentado sofrido por Bolsonaro no primeiro turno da campanha e afirmou que ele ainda é alvo de “agressões frequentes nas midias sociais”. O ministro defendeu que seja dada garantia a Bolsonaro e ao vice-presidente, general Hamilton Mourão, para as melhores condições de governo.

 

“Certamente, segurança do presidente eleito e da nova adminstração, exigirá cuidados mais tensos”, disse, em comparação ao aparato que tem hoje o presidente Michel Temer.

 

Conforme adiantou a Agência Brasil no mês passado, a vontade de Bolsonaro é desfilar no Rolls Royce no dia da posse "para estar mais perto do povo", mas, por questões de segurança, ele tem sido desencorajado. A decisão caberá ao próprio Bolsonaro e poderá ser tomada até o dia da posse. Além da questão de segurança, a condição climática no dia também pode atrapalar o desfile em carro aberto.

 

Comemoração

 

O ministro Sérgio Etchegoyen participou hoje, no Palácio do Planalto, da solenidade em comemoração aos 80 anos do GSI. Durante acerimônia, o presidente Michel Temer destacou a atução do militar no governo. Disse que, neste período, Etchegoyen não lhe passava apenas informações de segurança nacional e inteligência, mas opinava em outras áreas, por ser "um intelectual". 

 

Ao lembrar momentos marcantes no governo Temer, o ministro destacou a a crise humanitária em Roraima que,  segundo ele, não foi pequena, por causa da vinda de refugiados Venezuelanos para o Brasil e devido à greve dos caminhoneiros, avaliada como o momento mais tenso. Sobre o último episódio o general disse que nunca pensou que haveria uma saída. “Nunca achei que estava perdido, havia quem achasse, mas eu nunca achei”, garantiu aos jornalistas. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.