Operação Abismo PF prende mais um envolvido no desvio de recursos da previdência dos servidores do Cabo Pastor advogado, que se apresentou na sede da PF na última sexta, já está no Cotel

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 05/11/2018 08:32 Atualizado em: 07/11/2018 08:05

Foto: Arquivo/Camila Pifano/Esp. DP
Foto: Arquivo/Camila Pifano/Esp. DP
Um homem, que é pastor e advogado, de 52 anos, suspeito de envolvimento com o esquema de desvio de recursos do Instituto de Previdências dos Servidores do Cabo de Santo Agostinho, se apresentou na sede da Polícia Federal, em Pernambuco, no Cais do Apolo, na manhã da última sexta-feira (2). Natural de Parnamirim, Pernambuco, o suspeito estava foragido desde a deflagração da Operação Abismo no dia 19 do mês passado, quando não foi encontrado em sua residência, no bairro de Candeias, Jaboatão dos Guararapes. O pastor e advogado teve mandando de prisão expedido pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região. 

Na Polícia Federal, ele usou do seu direito constitucional de só se manifestar na presença do juiz, ficando portando calado com relação aos fatos em apuração da Operação Abismo. Segundo a PF, ele foi indiciado pelos crimes contidos no Artigo 333 do Código Penal c/c Artigo 1º da Lei 9.613/98 c/c Artigo. 27-E da Lei 6.385/76. (Corrupção Ativa, Lavagem de Dinheiro e Exercício Irregular da Profissão em mercado de capitais e investimentos. Se condenado, pode pegar penas de cinco a 20 anos de reclusão.

Após a autuação, o preso realizou exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML), em Santo Amaro, e em seguida, foi conduzido para o Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, onde ficará à disposição do Tribunal Regional Federal da 5ª Região. 

Desde que a operação Abismo foi deflagrada já foram cumpridos 15 prisões e 9 suspeitos ainda continuam foragidos (todos em outros estados) num total de 23 prisões. A Polícia Federal continua empreendendo diligências visando a captura de todos os integrantes que ainda se encontram com as prisões preventivas em aberto.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.