Nesta segunda Astronauta Marcos Pontes, cotado para assumir Ministério da Ciência e Tecnologia, faz palestra no Recife Ele falou para crianças e jovens entre 9 e 16 anos sobre as aventuras no espaço e robótica

Por: José Matheus Santos

Publicado em: 29/10/2018 14:27 Atualizado em: 29/10/2018 14:37

Foto: Reprodução / Twitter
Foto: Reprodução / Twitter
O astronauta Marcos Pontes, cotado para assumir o Ministério da Ciência e Tecnologia no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), esteve no Recife nesta segunda-feira (29) em evento na Fiepe (Fundação das Indústrias de Pernambuco) para crianças e jovens de 9 a 16 anos sobre as aventuras no espaço e robótica. No evento, ele também falou sobre a área da ciência e respondeu a questionamentos de alunos sobre o que faria caso assuma mesmo a pasta. Pontes também conversou com a imprensa. 

“É preciso que haja investimento na área de recursos humanos, de maneira que se tenha conexão com as escolas públicas, para que elas também façam parte do sistema de inovação e investimento cada vez maior da ciência no país”, disse Marcos, já em tom de quem seria ministro no novo governo. Em entrevista conjunta a emissoras de TV após a vitória nesse domingo (28), o presidente eleito Jair Bolsonaro afirmou que o nome de Pontes estava “quase fechado” para comandar a Ciência e Tecnologia. 

Sobre a afirmação de Bolsonaro na noite do domingo pós-vitória, Marcos foi cauteloso. “A decisão é sempre do presidente. Falo como uma pessoa que está preparada pra cumprir a missão. Existe uma possibilidade enorme de que eu seja o escolhido. Ele [Jair Bolsonaro] tem falado o meu nome o tempo todo nas entrevistas que dá”, disse. “Está bem próximo de se tornar uma realidade”, concluiu o astronauta, de maneira taxativa. 

Marcos Pontes também falou sobre a missão que poderá assumir no início de 2019. “Não é uma tarefa fácil, exige muito trabalho, uma equipe muito boa, temos pessoas excelentes no Ministério atualmente e pretendemos reforçar. Agora é a hora de colocar as ideias da sociedade brasileira e de pessoas que batalham pela ciência em prática. Eu gosto que Bolsonaro tem falado muito sobre a importância de ciência e tecnologia, como ele viu em outros países”. 

Marcos Pontes realizou a primeira e única, até agora, missão espacial brasileira, em 2006, e continua a serviço brasileiro nas organizações internacionais ligadas aos programas espaciais. Ele é tenente-coronel da reserva e foi eleito, no último dia 7, suplente do senador eleito Major Olímpio (PSL-SP). O astronauta é filiado do partido de Bolsonaro, mas já passou pela política. Ele tentou uma vaga na Câmara dos Deputados em 2014, pelo PSB, mas não obteve sucesso. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.