Eleições 2018 Quatro anos depois, Aécio se elege e Dilma fica sem mandato Tucano garante um mandato na Câmara dos Deputados ao ser o 18º candidato mais votado em Minas. Líder das pesquisas de intenção de voto, a ex-presidente petista ficou em quarto na disputa pelo Senado

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 07/10/2018 22:28 Atualizado em: 07/10/2018 22:37

Foto: AFP (Foto: AFP)
Foto: AFP
Se, há quatro anos, Dilma Rousseff (PT) saía à frente de Aécio Neves (PSDB) nas eleições presidenciais, agora, na disputa por cargos do Legislativo por Minas Gerais, a ex-presidente perdeu no Senado, enquanto o tucano garantiu o cargo de deputado federal. Contrariando as pesquisas, que davam como certa a vitória da petista, os mineiros elegeram Rodrigo Pacheco (DEM) e Carlos Viana (PHS), com 20,54% e 20,28% dos votos válidos, respectivamente. A candidata do PT teve 2.658.852 votos e ficou em quarto lugar, com 15,4% da preferência dos eleitores. Aécio Neves (PSDB), que há quatro anos enfrentava a petista nas urnas na corrida presidencial, conquistou perto de 106 mil votos e garantiu uma cadeira na Câmara dos Deputados.

A derrota de Dilma Rousseff pegou de surpresa os militantes, que lamentavam, na noite de ontem, o resultado da apuração. "Minha crítica é principalmente ao sistema, recheado de diversos partidos que são mais do mesmo. O que há de novo no partido Novo? Enquanto não tivermos uma reforma política, o cidadão será a vítima", analisa Abelar Quintiliano, filiado ao partido, em entrevista ao Estado de Minas. Ao votar pela manhã, na região da Pampulha, a ex-presidente criticou o processo de impeachment, que a tirou do Palácio do Planalto, em 2016. “Hoje é um momento muito especial para o país porque estamos reafirmando a democracia no Brasil, que foi tão golpeada tanto no impeachment quanto no processo de sucessão”, disse.

Pacheco (DEM) e Viana (PHS) terão oito anos de mandato, a partir de 2019. O primeiro é advogo e deputado federal. Foi candidato a prefeito de Belo Horizonte nas eleições de 2016 e terminou a disputa em terceiro lugar. Já Viana é de Braúnas. Jornalista, trabalha na Rádio Itatiaia e também é formado em Estratégia pelo Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais (CEPEAD/UFMG).

Vaias

Embora eleito, Aécio Neves não foi o candidato mais votado, conforme previa o Ibope. O tucano ficou na 18º posição — o estado tem direito a 53 cadeiras na Câmara. O deputado federal com maior número de votos em Minas foi Marcelo Alvaro Antonio (PSL), com quase 229 mil votos válidos. À tarde, Aécio Neves foi hostilizado por eleitores no Bairro de Lourdes, em Belo Horizonte. Assim que chegou ao local, por volta das 16h20, o senador e ex-governador do estado ouviu vaias e insultos, como “ladrão”, “traidor” e “golpista”. Os manifestantes ainda cantaram uma marchinha de carnaval ironizando o tucano, que permaneceu no local por aproximadamente cinco minutos. Apesar dos xingamentos, Aécio se manteve calmo e não entrou em discussão com os eleitores.

Assim que concluiu o voto e deixou a seção eleitoral, o senador foi atingido por uma garrafa de água, que estava vazia, além de ser chamado novamente de “golpista”. Perguntado sobre a recepção negativa, o candidato disse que as manifestações fazem parte da democracia. Ele também ressaltou que o pleito de 2014 foi “corrompido”. Questionado se apoiaria algum candidato à presidência no segundo turno, que será disputada por Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), Aécio Neves não declarou o voto, mas afirmou que jamais apoiaria o PT.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.