eleições 2018 Médicos, e não calendário eleitoral, ditarão passos de Bolsonaro, diz Olímpio Olímpio disse que ficou aliviado com o boletim médico divulgado mais cedo pelo hospital sobre as condições do presidenciável após a cirurgia de emergência

Por: AE

Publicado em: 13/09/2018 11:42 Atualizado em: 13/09/2018 11:52

Foto: Reprodução/Youtube
Foto: Reprodução/Youtube
O deputado Major Olímpio (PSL), aliado de Jair Bolsonaro, deixou no final da manhã desta quinta-feira, 13, o hospital Albert Einstein, onde o candidato à Presidência encontra-se internado após o atentado a faca ocorrido na quinta-feira passada (6). 

Olímpio disse que ficou aliviado com o boletim médico divulgado mais cedo pelo hospital sobre as condições do presidenciável após a cirurgia de emergência realizada na noite de quarta-feira 12, mas não deu pistas sobre o tempo de recuperação do paciente.

"O doutor Macedo (Antonio Luiz Macedo, cirurgião da equipe) não faz prognóstico em relação a isso. O que vai ditar o que fará Bolsonaro é a orientação médica e não o calendário eleitoral", assegurou.

O candidato do PSL ao Senado por São Paulo este ano, no entanto, admitiu que o quadro de Bolsonaro é grave diante das lesões e que a campanha continuará a ser tocada pelos familiares e integrantes do PSL e do PRTB. "Estamos tentando casar as agendas nesse momento para facilitar e até para levarmos uma imagem de coesão absoluta da campanha. Tanto que os convites ao general Mourão (vice de Bolsonaro) são feitos na mesma intensidade", salientou.

De acordo com a Coluna do Estadão, aliados de Bolsonaro já admitem que as complicações médicas devem alongar o tempo de recuperação e podem tirá-lo inclusive das atividades de um eventual segundo turno.

Após a cirurgia, Bolsonaro teria acordado por volta das 4h30 e permanece na UTI, acompanhado apenas da esposa e do seu filho Carlos, vereador pelo Rio.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.