ataque a candidato Homem que esfaqueou Bolsonaro pregava paz e salvação Segundo um antigo amigo do agressor de Bolsonaro, ele era um 'profundo conhecedor da Bíblia'

Por: Estado de Minas

Publicado em: 11/09/2018 09:48 Atualizado em:

Adelio confessou o crime e, no sábado (8), foi transferido para um presídio federal no Mato Grosso do Sul, onde cumpre prisão preventiva. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Adelio confessou o crime e, no sábado (8), foi transferido para um presídio federal no Mato Grosso do Sul, onde cumpre prisão preventiva. Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
O homem que esfaqueou o candidato a presidente da República Jair Bolsonaro (PSL), em Juiz de Fora, na quinta-feira passada, Adelio Bispo de Oliveira, de 40 anos, pregava a palavra de Deus e paz entre os irmãos, sendo também um profundo conhecer da Bíblia. 

A revelação foi feita ao Estado de Minas pelo autônomo J.R., de 32 anos, integrante da a Igreja Missionária Resplendor da Glória de Deus, última igreja evangélica que Adelio frequentou em Montes Claros, localizada no Bairro Doutor João Alves, Região Sul da cidade. Ele também foi amigo do agressor do presidenciável. Natural da cidade do Norte do estado, o esfaqueador foi detido em flagrante em Juiz de Fora, logo depois do atentado. Confessou o crime e, no sábado (8), foi transferido para um presídio federal no Mato Grosso do Sul, onde cumpre prisão preventiva.

“Ele (Adelio) é culto demais. Falava e pregava bem demais. Pregava a paz e a salvação. Ele sabe tudo de Bíblia, de ‘cabo a rabo’”, afirmou o evangélico, que pediu para não ter o seu o nome revelado. Ele informou ainda que, da última vez que esteve em Montes Claros e apareceu no templo, há um ano e meio, o agressor de Bolsonaro mostrou ter uma espécie de transtorno, com mania de perseguição, dizendo que estava sendo “monitorado” pela maçonaria. 

“Ele estava desnorteado e apareceu com uma conversa esquisita. Falava que os maçons estavam rastreando as conversas dele pelo celular. Para conversar com ele, a gente tinha que falar baixinho e tirar a bateria e o chip do celular”, afirma o autônomo.

A Igreja Missionária Resplendor da Glória de Deus é uma congregação evangélica pequena, fundada na cidade Norte de Minas, há pouco mais de 20 anos por uma pastora. Embora tenham apresentado versões diferentes sobre o assunto, advogados que defendem Adelio disseram ter sido contratados e pagos por uma congregação evangélica de Montes Claros ou pessoas ligadas a elas.

A fundadora da Resplendor da Glória negou ter feito contato ou pagamento a advogados, alegando que não tem condições financeiras para isso. A informação também foi rebatida por dirigentes de outras duas igrejas evangélicas de Montes Claros: a Evangelho Quadrangular, que seria frequentada por Adelio, segundo seus parentes, informação também negada pelo pastor Antônio Levi de Carvalho, e a Testemunhas de Jeová, da qual o agressor de Bolsonaro seria seguidor, segundo um de seus advogados.

O autônomo J.R. disse que, há mais de 15 anos, Adelio passou a frequentar a Igreja Resplendor da Glória. Segundo ele, antes disso, na adolescência, o homem que atacou o presidenciável “se converteu” à Igreja do Evangelho Quadrangular, informação também divulgada por parentes dele. O pastor Levi, superintendente do Evangelho Quadrangular em Montes Claros, afirmou que a igreja não tem nenhum registro do nome de Adelio entre seus mais de 5 mil integrantes.

“Ele (Adelio) passou a frequentar a nossa igreja e se tornou amigo da gente. Depois, sumiu. Foi para Uberaba e Florianópolis. Acho que durante um período de mais de 15 anos ele voltou aqui umas cinco vezes, no máximo. Mas sempre vinha rápido, como se fosse viagem de férias. Ficava uns 20 dias e voltava, dizendo que tinha que trabalhar”, relata J.R..

O morador de Montes Claros conta ainda que Adelio, sempre que retornava à cidade, frequentava a igreja evangélica e fazia pregações, mas não falava de política dentro do templo. “Ele dizia que não aceitava misturar política com religião”, descreveu. “Teve uma época que ele falou que seria deputado, mas que todos os partidos não serviam para ele.”

O homem que conviveu com agressor de Bolsonaro disse que ficou surpreso quando tomou conhecimento do atentado praticado por Adelio contra o candidato do PSL. “Realmente, fiquei surpreso. Nunca imaginava que ele fosse fazer aquilo. Isso não tem lógica. Ele pregava a palavra. Deveria estar transtornado. Não tem lógica uma pessoa em sã consciência fazer uma coisa dessas.”


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.