Violência Conheça o perfil do mineiro que esfaqueou Bolsonaro em Juiz de Fora Perfil em redes sociais do homem nascido em Montes Claros mistura conspirações contra a maçonaria e críticas à direita. À PM ele afirmou que não tem ligação com nenhum partido político

Por: Estado de Minas

Publicado em: 06/09/2018 17:50 Atualizado em: 06/09/2018 18:00

Foto: PM/Divulgação
Foto: PM/Divulgação
O homem que esfaqueou o candidato a presidente da república, Jair Bolsonaro (PSL), na tarde desta quinta-feira (6) foi identificado. Trata-se de Adelio Bispo de Oliveira, de 40 anos, solteiro, mineiro de Montes Claros, no Norte de Minas. Segundo a Polícia Militar, ele confessou o ataque e foi preso em flagrante. Nas redes sociais, ele mistura publicações desconexas com ataques à direita e conspirações contra a maçonaria. 

Nas redes sociais, Adelio já publicou fotos em atos políticos contrários ao presidente Michel Temer (PMDB). Em outra imagem postada por ele, jovens utilizam camisas em apoio ao ex-presidente Lula. Em várias publicações no Facebook entre maio e agosto deste ano, são recorrentes os ataques de Adelio à maçonaria, nos quais ele ironiza práticas e símbolos maçons. Em alguns post com vídeos e notícias sobre a maçonaria, ele fala sobre "conspiração maçonica contra o estado brasileiro" e "direita maçonica".

O candidato Jair Bolsonaro também é alvo recorrente de publicações e críticas em publicações feitas por Adelio, que tinha até a tarde de ontem cerca de 260 seguidores e pouco mais de 1 mil amigos no Facebook. Logo após a Polícia Militar confirmar a identidade do autor do ataque, a página de Adelio no Facebook foi alvo de dezenas de comentários contra ele. 

Em seu último post, de 3 de agosto, Adelio comentou matéria de portal de notícias de Santa Catarina sobre o perfil dos eleitores daquele estado.

De acordo com a PM, Adelio foi detido por populares logo depois do ataque a Bolsonaro. O objeto usado por ele para atacar o candidato não foi encontrado. Um militar que fez a prisão do homem informou, em conversa à imprensa, que ele negou ser de qualquer partido político. "Alegou que não tem nenhuma filiação partidária. Disse que foi questões pessoais dele contra o Bolsonaro", afirmou.

Logo depois das agressões, Adelio foi detido por populares que tentaram linchá-lo. "Ele sofreu agressões dos simpatizantes do candidato. Para garantir a segurança dos policiais e do próprio autor da tentativa de homicídio, tivemos que usar spray de pimenta para evitar a aglomeração de pessoas", informou o policial. O homem foi detido e encaminhado para a delegacia da Polícia Federal (PF).


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.