Eleições 2018 Paulo dispara sobre declaração de Temer: Nota divulgada pela assessoria do governador diz que o presidente "tentou interferir na eleição local" com falsas informações

Por: João Victor Paiva

Publicado em: 30/08/2018 09:43 Atualizado em: 30/08/2018 18:25

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
A tentativa de Paulo Câmara (PSB) se esquivar do governo Temer ganha um novo capítulo. Na quarta-feira (29), em entrevista a uma rádio local, o presidente chegou a dizer que o governador o "apoiou em todo o período, desde o afastamento de Dilma". A declaração caiu como uma bomba no círculo socialista, que busca se afastar do apoio dado ao impeachment de Dilma - da legenda, 29 dos 32 deputados federais e cinco dos sete senadores votaram a favor do processo. 

O partido, que tem aliança com o PT de Dilma no estado, reagiu. Classificando a declaração de Temer como "um capítulo lamentável da história brasileira", a nota assinada pela assessoria de Paulo, divulgada nesta quinta (30), afirmou que "a ação orquestrada entre Temer e Fernando Bezerra Coelho [MDB] para beneficiar Armando Monteiro só evidenciou o quanto esse grupo político está integrado e trabalhando contra os pernambucanos". 

A nota também acusou o governo federal de ter fechado os créditos nos bancos oficiais para Pernambuco e de findar o repasse para obras como a Adutora do Agreste, além de afirmar que "Temer impediu por duas vezes a devolução da autonomia de Suape, assim como prometeu e não cumpriu a prorrogação dos incentivos fiscais para que a Fiat realize mais um investimento de R$ 7 bilhões, que gerarão 13 mil novos empregos".

Todo esse impasse é gerado pelo forte apelo que Lula tem no estado. Em pesquisa recente, a popularidade do petista em Pernambuco gira em torno dos 60%. Além disso, a rejeição ao governo Temer segue alta, com 70% de reprovação do eleitorado.

O passado

Paulo chegou a dizer, em 2016, que o processo de impeachment seguiu as normas constitucionais e elogiou a "robustez e equilíbrio das instituições democráticas" após o impeachment passar na Câmara dos Deputados. Ele também liberou três secretários com mandatos em Brasília para participar da votação (dois votaram a favor e um se absteve).

Confira a nota na íntegra

Pernambuco acompanhou ontem, um capítulo lamentável da história brasileira com um presidente da República cumprindo uma tarefa eleitoral minúscula, a serviço de seus aliados. Atendendo à primeira demanda de Fernando Bezerra Coelho, seu novo líder no Senado, Michel Temer tentou interferir na eleição local com a falsa afirmação de que teria algum tipo de proximidade com o governador Paulo Câmara.

A ação orquestrada entre Temer e Fernando Bezerra Coelho para beneficiar Armando Monteiro só evidenciou o quanto esse grupo político está integrado e trabalhando contra os pernambucanos. A mentira se estendeu a um documento que supostamente deveria conter os investimentos federais no estado. 

A obra de ficção encaminhada pela Presidência da República elenca como aporte do Governo Temer em Pernambuco desde construções realizadas no Rio Grande do Norte, passando por repasses obrigatórios aos trabalhadores, como PIS/PASEP e FGTS. Além de itens que deveriam acontecer em 2018 e nem sequer foram iniciados.

Nenhuma linha sobre o fechamento do crédito nos bancos oficiais para Pernambuco e nem sobre o fim do repasse para obras importantes como a Adutora do Agreste, que não recebeu nenhum centavo da União em 2018. O documento também não menciona que Temer impediu por duas vezes a devolução da autonomia de Suape, assim como prometeu e não cumpriu a prorrogação dos incentivos fiscais para que a FIAT realize mais um investimento de R$ 7 bilhões que gerarão 13 mil novos empregos.  

Quem sabe o que o presidente Temer significa pra Pernambuco é o nosso povo que dá 94% de rejeição a ele. O papel a que se prestou o presidente mostra a exata dimensão de sua estatura política e do tamanho do seu empenho com a candidatura do senador Armando Monteiro e toda a sua turma.

Assessoria de comunicação
Campanha Paulo Câmara


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.