Pernambuco Carona em débito de cachês de artistas locais Armando Monteiro Neto (PTB) centrou suas críticas na área da cultura. Reação dele tem a ver com as queixas dos cantores contra o atraso de pagamento de cachês em festas realizadas no estado

Por: Rosália Rangel - Diario de Pernambuco

Publicado em: 21/08/2018 10:01 Atualizado em: 21/08/2018 10:12

Foto: PTB/Divulgação (Foto: PTB/Divulgação)
Foto: PTB/Divulgação
Depois de abordar em seus discursos questões relacionadas à segurança pública e a saúde, o candidato da coligação Pernambuco Vai Mudar, senador Armando Monteiro Neto  (PTB), centrou suas críticas na área da cultura. Ele aproveitou declarações de artistas na internet e também informações recebidas do ex-prefeito de Nazaré da Mata Nado Coutinho para afirmar que o atual governo “desrespeita os artistas locais e desvaloriza a cultura pernambucana”. A reação dele tem a ver com as queixas dos cantores contra o atraso de pagamento de cachês em festas realizadas no estado, a exemplo do carnaval e São João. 

Na conversa com Armando, Coutinho apresentou um levantamento onde mostra a situação dos artistas locais. Segundo ele, os atrasos nos pagamentos dos cachês existiam desde a gestão do ex-governador Eduardo Campos, mas o problema se agravou nos últimos anos. “É inadmissível que depois de uma apresentação o governo demore oito, nove, dez meses e até um ano para pagar os artistas locais. Isso é falta de respeito. Não é o mesmo tratamento que vemos sendo dado aos artistas que vêm de fora, que só sobem no palco se o dinheiro já estiver na conta”, ressaltou o ex-prefeito.

Ao comentar o assunto, o candidato também registrou o posicionamento do cantor Petrúcio Amorim, que cobrou o pagamento diretamente ao governador Paulo Câmara (PSB) em sua conta no Twitter: “Se o governador Paulo Câmara pagasse o São João da gente antes do final das eleições ia ser arretado”, de acordo com o material enviado pela assessoria do candidato. No último sábado, em uma visita à feira livre de Bonança, o senador ouviu queixa semelhante do ativista cultural Carlos Brasil. “Artistas como Lia de Itamaracá e Ivanildo Vila Nova não podem ficar anos para receber seus merecidos cachês”, observou Brasil.

Após a reunião com o ex-prefeito, o candidato destacou que a valorização da cultura popular e sua difusão em todo o estado estão contempladas nas diretrizes do seu programa de governo. “Obviamente que não é possível valorizar a cultura sem valorizar o artista. É importante que os artistas locais tenham prioridade nas contratações e o pagamento de seu cachê seja garantido. É preciso tratar com isonomia os nossos artistas e os artistas nacionais”, afirmou o petebista.

Questionado sobre o assunto, governador afirmou que está fazendo a regularização do pagamento dos artistas e, nesta semana, liberou R$ 3 milhões e espera ao longo deste mês e, no máximo, no outro regularizar. “Temos compromisso com nossa cultura e vamos valorizar”, garantiu o socialista.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.