Defesa Gleisi: intenção de Moro é retirar Lula da exposição pública em período eleitoral "É apenas perseguição", disse a presidente do PT

Por: AE

Publicado em: 15/08/2018 16:56 Atualizado em:

A presidente da sigla, senadora Gleisi Hoffmann. Foto: Agência Brasil (Foto: Agência Brasil)
A presidente da sigla, senadora Gleisi Hoffmann. Foto: Agência Brasil
Candidato à vice-presidente na chapa do PT às eleições presidenciais, o ex-prefeito Fernando Haddad criticou, nesta quarta-feira (15), a decisão do juiz Sérgio Moro de adiar o depoimento que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva daria na ação do sítio de Atibaia. 

Moro alegou que a alteração das datas das audiências tem por objetivo "evitar a exploração eleitoral dos interrogatórios". O interrogatório foi remarcado para novembro. Os interrogatórios de outros 12 réus na mesma ação também foram adiados. 

"É curioso que na oportunidade que Lula tem de se defender, é cassado o direito dele de falar antes das eleições? Por que ele não adiou os depoimentos das testemunhas de acusação também, que nada acrescentaram?", questionou Haddad. 

A presidente da sigla, senadora Gleisi Hoffmann, afirmou que a intenção de Moro é retirar Lula da exposição pública no período eleitoral. "Se não fosse época de eleição, ele faria isso como já fez tantas vezes. É apenas perseguição", disse. "O que vemos com Lula é uma exceção completa".

Ambos participaram de uma entrevista coletiva junto aos governadores Fernando Pimentel (MG) e Wellington Dias (PI), a deputada Luciana Santos, presidente nacional do PCdoB e a deputada estadual Manuela D'Ávila. 

Antes, o grupo havia se reunido com outros deputados, senadores e governadores do partido para definir as estratégias de campanha. 

As audiências estavam marcadas para datas entre 27 de agosto e 11 de setembro. Os interrogatórios agora devem ocorrer entre 5 e 14 de novembro.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.