Resposta Moro não poderia adiar depoimento de Lula por causa das eleições, diz defesa Nesta quarta, o PT deve registrar Lula como candidato à Presidência

Por: AE

Publicado em: 15/08/2018 16:37 Atualizado em:

O juiz Sérgio Moro. Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
O juiz Sérgio Moro. Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Após o juiz Sérgio Moro mudar a data do interrogatório do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a defesa do petista se manifestou afirmando que um processo criminal não poderia ter o calendário orientado pelas eleições.

Nesta quarta-feira (15), Moro decidiu adiar a data do interrogatório do ex-presidente e de outros 12 réus na ação do sítio de Atibaia. As audiências estavam marcadas para datas entre 27 de agosto e 11 de setembro. Os interrogatórios agora devem ocorrer entre 5 e 14 de novembro. O magistrado da Operação Lava Jato afirmou que a alteração tem por objetivo "evitar a exploração eleitoral dos interrogatórios".

Para a defesa, no entanto, a medida do juiz reforçaria a tese do petista de que está sendo julgado pela Lava Jato com base na questão eleitoral. Nesta quarta, o PT deve registrar Lula como candidato à Presidência.

"Um processo criminal jamais poderia ter seus atos orientados pelo calendário eleitoral. A mudança das datas dos depoimentos, porém, mostra que a questão eleitoral sempre esteve e está presente nas ações contra o ex-presidente Lula que tramitam em Curitiba", diz a nota assinada pelo criminalista Cristiano Zanin Martins, que defende Lula na Lava Jato.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.