Assassinato Disputa por licitação pode ter motivado execução do vereador Luiz Cavalcanti, de Igarassu O vereador era construtor e venceu recentemente uma licitação.

Por: Cláudia Eloi - Diario de Pernambuco

Publicado em: 16/05/2018 20:58 Atualizado em: 16/05/2018 21:06

Uma das linhas de investigação para o assassinato do vereador de Igarassu Luiz Cavalcanti dos Passos (PTN), 75 anos, ocorrido na manhã desta quarta-feira, é que o crime teria sido motivado por conta de uma licitação. A vítima atuava como construtor e venceu recentemente uma licitação contrariando supostamente interesses de outras empresas que participaram do certame. A informação foi repassada pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Guilherme Uchoa (PDT), amigo pessoal do vereador. 
 
Ao saber do assassinato, o presidente da Assembleia Legislativa foi para a casa do vereador prestar solidariedade à família. “Ele era meu amigo há 26 anos e também meu eleitor. O caso está sendo investigado pelo DHPP  (Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa)”, informou o deputado.
 
Segundo a Polícia Militar, dois suspeitos chegaram em um HB20 branco e interceptaram o veículo do vereador, uma Hilux, por volta das 8 h desta quarta-feira. Os criminosos colocaram a vítima dentro do veículo e seguiram pela BR 101. O vereador foi abordado a poucos metros da residência dele. No momento do sequestro, Luiz estava com o motorista, também levado pelos criminosos e abandonado em seguida. A vítima teria parado para cumprimentar um amigo quando houve a abordagem.
 
A Polícia encontrou o corpo vereador na área próxima da BR-101, no município de Igarassu. Ele estava desaparecido, após ter sido sequestrado na Vila Saramandaia, em Igarassu. O corpo tinha uma lesão na nuca, provavelmente por disparo de arma de fogo. O município de Igarassu decretou luto oficial por três dias. A Polícia Civil de Pernambuco instaurou inquérito para apurar o homicídio que vitimou o vereador.
 
Dos dois suspeitos que foram presos pela Polícia Militar na cidade de Goiana, um foi reconhecido por testemunhas e o segundo confessou o crime. As identidades dos autores serão mantidas em sigilo para não atrapalhar as investigações. Eles serão enviados a uma audiência de custódia nesta quinta-feira (17). O inquérito será conduzido pela 6ª Delegacia de Homicídios. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.