• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Investigação Ex-secretário de Cabral e delegado são presos pela Lava-Jato no Rio Eles são investigados no superfaturamento de compra de produtos para a produção de pães

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 13/03/2018 09:28 Atualizado em:

Estima um rombo de aproximadamente R$ 73 milhões. Foto: Bruno Itan/GERJ (Foto: Bruno Itan/GERJ)
Estima um rombo de aproximadamente R$ 73 milhões. Foto: Bruno Itan/GERJ


Servidores do sistema penitenciário do Rio de Janeiro são alvo de mais um desdobramento da Operação Lava-Jato, na manhã desta terça-feira (13/3), no Rio de Janeiro. A investigação da Operação Pão Nosso, que apura um esquema de superfaturamento e fraude no fornecimento de pães para presos, estima um rombo de aproximadamente R$ 73 milhões, segundo o Ministério Público Federal (MPF).

Entre os presos estão o ex-secretário estadual de Administração Penitenciária (Seap) e coronel da Polícia Militar Cesar Rubens Monteiro de Carvalho; o ex-secretário adjunto de tratamento penitenciário Marcos Vinicius Lips; e o atual Diretor Geral de Polícia Especializada, o delegado Marcelo Martins. O coronel Cesar Rubens liderou a Seap na gestão do ex-governador Sérgio Cabral.

Devem ser cumpridos 14 mandados de prisão, sendo 9 temporárias e 5 preventivas, assinados pelo juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal. Segundo as investigações, o contrato fraudulento envolvia o funcionamento de padarias dentro do complexo de Bangu.

A organização sem fins lucrativos contratada pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro, Iniciativa Primus, não precisava pagar pelo espaço dentro do presídio, pelos ingredientes, pela energia, pela água e usava a mão-de-obra dos detentos. No entanto, cobrava duas vezes pelo pão, na compra da farinha e pelos pães prontos. Além do superfaturamento, há indícios de pagamento de propinas com o esquema.
 
Organização criminosa de Cabral
As investigações partiram de delação premiada do operador do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB), Carlos Miranda. O colaborador afirmou ao Ministério Público Federal que havia um acordo entre Carvalho, quando ainda secretário, e Cabral para o repasse de propina nos contratos da secretaria. 

Os pagamentos, segundo a delação, começaram a ser feitos no final de 2007 e duraram até 2014, abastecendo a organização criminosa do ex-governador, segundo o MPF.

(Com informações da Agência Estado)


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.