• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Política Toffoli determina perícia e pode reavaliar prisão domiciliar de Picciani O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) acredita que o estado de saúde do ex-presidente da Alerj preso por lavagem de dinheiro não ficou "totalmente claro"

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 12/03/2018 18:56 Atualizado em: 12/03/2018 19:11

Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta segunda-feira (12) que seja feita uma perícia médica no deputado estadual Jorge Picciani. Foto: Carlos Moura/SCO/STF.
Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta segunda-feira (12) que seja feita uma perícia médica no deputado estadual Jorge Picciani. Foto: Carlos Moura/SCO/STF.
O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta segunda-feira (12) que seja feita uma perícia médica no deputado estadual Jorge Picciani (MDB-RJ). Segundo a decisão, um perito oficial fará a avaliação em até 48 horas porque, segundo o ministro, "o estado de saúde dele não ficou totalmente claro". 

Na decisão de Toffoli, advogados dizem que Jorge Picciani foi submetido a um procedimento médico complexo para tratar um câncer, e a cadeia pública em que se encontra é "incompatível com o tratamento pós-operatório". Ainda segundo a defesa, a prisão coloca em risco "sua própria vida e integridade física, diante do risco de complicações médicas, quiçá irreversíveis".

Deputado estadual Jorge Picciani. Foto: Tânia Rego/Agência Brasil.
Deputado estadual Jorge Picciani. Foto: Tânia Rego/Agência Brasil.
Picciani era presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) quando foi afastado por corrupção. Ele foi presos em novembro, junto à cúpula da Casa, nas investigações da Operação Cadeia Velha, desdobramento da Lava-Jato em território fluminense. Logo após a decisão, os advogados pediram prisão domiciliar, que foi negada pelo juiz federal Flávio Oliveira Lucas, que substituiu o relator do caso no TRF-2, desembargador Abel Gomes. Agora que o caso chegou ao Supremo, o pedido deve ser reavaliado. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.