• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Opinião Paulo José Barbosa: Acesso à empregabilidade Paulo José Barbosa é diretor do Movimento Pró-Criança

Publicado em: 11/01/2018 07:18 Atualizado em:

Em 13/12/2017 o Núcleo de Inclusão Digital (NID), do Movimento Pró-Criança, entregou certificados de conclusão de cursos de informática a cerca de 200 beneficiários da instituição. As áreas contempladas foram: Iniciação à Informática, Recondicionamento de Computadores, Informática para Internet (Web Design) e Robótica Educacional. O NID é um programa do Pró-Criança que atua na transmissão de conhecimentos tecnológicos às crianças, adolescentes e jovens no contexto de uma ação nacional promovida pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação, através dos Centros de Recondicionamento de Computadores (CRCs), com vistas à inclusão digital do referido público envolvido. Criado em outubro de 2013, esse programa já capacitou 2.100 participantes, sendo que em 2017 foram 420.

A formação na área de informática torna-se fundamental face á necessidade de acesso à empregabilidade, considerando a participação desse conhecimento no processo de capacitação que o mesmo promove para o desenvolvimento econômico e a melhoria da produtividade. Este programa conta com o apoio, inclusive financeiro, de setores empresariais  uma vez que, de acordo com Marcos Magalhães, fundador e Presidente do Instituto de Corresponsabilidade da Educação, deve-se buscar novos modelos de escola unindo empresários e poder público.

O Movimento Pró-Criança é uma entidade sem fins lucrativos, ligado a Arquidiocese de Olinda e Recife, que atua na educação complementar através de seminários, cursos, oficinas, além de atividades de formação ética e cidadã, para crianças, adolescentes e jovens, há 24 anos, principalmente nas áreas de Artes (Artes Plásticas, Dança e Música), Esportes (Judô), Letramento e Apoio Pedagógico. Nesse período o Pró-Criança já atendeu cerca de 30.000 beneficiários, na busca de inserção social e econômica desse contingente mais sacrificado da população, residentes de áreas periféricas, em favelas e palafitas, da Região Metropolitana do Recife.
 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.