• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Defesa Sigilos de Aécio sempre estiveram à disposição da Justiça, diz advogado A quebra de sigilo se estende a outros investigados na Operação Patmos como a irmã e primo do senador

Por: AE

Publicado em: 07/12/2017 16:54 Atualizado em:


O advogado criminalista Alberto Zacharias Toron, que defende o senador Aécio Neves (PSDB-MG), divulgou nota nesta quinta-feira (7), na qual afirma que a quebra de sigilo bancário e fiscal é medida "extremamente natural e salutar para confirmar a absoluta correção" dos atos do seu cliente.
Segundo ele, os dados bancários "sempre estiveram à disposição da Justiça". "Os sigilos bancário e fiscal do senador Aécio Neves sempre estiveram à disposição da Justiça, e desde outubro, quando essa decisão foi tomada, a Defesa reitera que é uma medida extremamente natural e salutar para confirmar a absoluta correção dos seus atos", diz a nota.

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello, decretou a quebra de sigilo fiscal e bancário de Aécio no período que vai de 1º janeiro de 2014 até 18 de maio deste ano. O objetivo, segundo a decisão, é "rastrear a origem e o destino dos recursos supostamente ilícitos". A medida inclui os meses que antecederam a eleição presidencial daquele ano em que o tucano foi derrotado por Dilma Roussef (PT).

A quebra de sigilo, requerida pela procuradora-geral, Raquel Dodge, se estende a outros investigados na Operação Patmos - que apura suspeita de propina de R$ 2 milhões da JBS para o senador. São alvos da cautelar a irmã e o primo do tucano, Andrea Neves e Frederico Pacheco, o assessor do senador Zezé Perrella (PMDB-MG) Mendherson Souza, e as empresas Tapera e ENM Auditoria e Consultoria.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.