• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
livre Desembargador solta ex-secretário da Casa Civil de Cabral Fichtner era um dos integrantes da festa que reuniu políticos do Rio em Paris, em 200

Por: AE

Publicado em: 30/11/2017 19:50 Atualizado em:

Fichtner foi preso preventivamente no dia 23 durante a Operação C%u2019Est Fini, deflagrada pela Polícia Federal e pelo MPF-RJ. Foto: Governo do Rio de Janeiro
Fichtner foi preso preventivamente no dia 23 durante a Operação C%u2019Est Fini, deflagrada pela Polícia Federal e pelo MPF-RJ. Foto: Governo do Rio de Janeiro
O desembargador federal Paulo Espirito Santo, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) concedeu liminar no fim da tarde desta quinta-feira, 30, para soltar o ex-secretário da Casa Civil do Rio de Janeiro Régis Fichtner. A decisão atendeu a pedido de habeas corpus da defesa de Fichtner. O mérito será julgado pela Primeira Turma Especializada do TRF-2.

Ao conceder a soltura, o desembargador determinou medidas restritivas à liberdade do acusado. Régis Fichtner deverá se apresentar em juízo a cada 60 dias e está proibido de deixar o País. O Ministério Público Federal no Rio (MPF) informou que entrará com agravo para reverter a decisão.

Fichtner foi preso preventivamente no dia 23 durante a Operação C’Est Fini, deflagrada pela Polícia Federal e pelo MPF-RJ. Ele era um dos integrantes da festa que reuniu políticos do Rio em Paris, em 2009, e que ficou conhecida como "Farra dos Guardanapos". Nas fotos que vazaram do evento, porém, não aparece com a cabeça coberta por um pano, diferentemente de outros integrantes do grupo.

Segundo denúncia da procuradoria, Régis Fichtner tinha amplo poder na hierarquia da organização criminosa liderada pelo ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB). O ex-secretário foi acusado de ter recebido R$ 1,56 milhão em vantagens indevidas e usado seu cargo como chefe da Casa Civil para favorecer empresas de outros integrantes da organização.

A defesa de Fichtner não foi localizada para comentar as acusações.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.