• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
ATIVISTA Deputado do PT aciona polícia legislativa ao ser acusado de ladrão por ativista Carla Zambelli ficou conhecida por se algemar em um pilar da Câmara dos Deputados, em 2015, para pedir o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff

Por: Agência Estado

Publicado em: 30/11/2017 15:21 Atualizado em:


O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) acionou policiais do Congresso para deter a ativista Carla Zambelli, do Movimento NasRuas, nesta quinta-feira, 30, após ser acusado de roubar. A confusão aconteceu no Senado Federal quando Pimenta e o deputado Wadih Damous (PT-RJ) deixavam a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da JBS. Com uma câmera nas mãos, Zambelli abordou os parlamentares para questioná-los sobre críticas ao juiz Sérgio Moro.

No vídeo, disponibilizado pela ativista em sua rede social, Pimenta diz para Carla "ir trabalhar". Na sequência, a líder do Nas Ruas faz a acusação contra o deputado. "Eu estou trabalhando diferente de vocês que estão roubando".

A afirmação motivou o parlamentar a acionar a Polícia Legislativa, que levou Carla Zambelli para prestar esclarecimentos. Na discussão, a ativista chegou a afirmar também que Pimenta teria "medo de Sérgio Moro". "Na hora que o senhor perder o foro privilegiado, o senhor vai encontrar com ele, viu. Vai ter um encontro bem gostoso com ele", afirmou.

Pimenta também será chamado para prestar esclarecimentos sobre o episódio, segundo informações da Polícia Legislativa. O petista teve seu nome mencionado por delatores da Odebrecht e aparece em documentos da empreiteira sob o apelido de "Montanha".

Carla Zambelli ficou conhecida por se algemar em um pilar da Câmara dos Deputados, em 2015, para pedir o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Em junho deste ano, após o presidente Michel Temer ser implicado em denúncias pela Procuradoria-Geral da República, a ativista disse que o NasRuas atuava de forma voluntária em favor do governo e não enxergava indícios suficientes para seu afastamento do cargo.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.