• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Pressão Oposição estadual vai à Mata Sul e apresenta requerimento para abertura de CPI Segundo Edilson Silva, a CPI é uma oportunidade para dar controle social às investigações iniciadas pela Polícia Federal na Operação Torrentes, deflagrada em 9 de novembro passado.

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 30/11/2017 06:00 Atualizado em: 30/11/2017 21:44

Crédito: Julio Jacobina/DP
Crédito: Julio Jacobina/DP

Os deputados da bancada de oposição estadual vão realizar uma plenária, no município de Maraial, na Mata Sul, para ouvir as demandas e sugestões de prefeitos, lideranças políticas e sindicais da região. O evento será realizado amanhã à noite, dando continuidade aos seminários Pernambuco de Verdade, que já ocorreram no Sertão, no Agreste e na Mata Norte. Antes do evento, segundo o líder do bloco, Silvio Costa Filho (PRB), eles também vão visitar os municípios de Palmares, Cortês, Água Preta e Ribeirão para saber como estão as obras iniciadas pelo governo do estado em 2010 e neste ano, após as enchentes. "O objetivo é obter um diagnóstico da região e cobrar as promessas de campanha feitas pelo governador Paulo Câmara em 2014", disse Silvio Costa.

Em outra frente, o deputado estadual Edilson Silva (PSol) pretende dar entrada num requerimento para recolher assinaturas e instalar, na próxima semana, uma CPI para investigar os supostos desvios de recursos públicos praticados por policiais militares e eventuais integrantes do governo nas operações realizadas após as enchentes.

Há indícios, segundo investigações da Polícia Federal, na Operação Torrentes, de que 30% dos recursos que vieram do governo federal para os desabrigados das chuvas tenham sido desviados. Para a CPI ser aprovada, Edilson precisa conseguir a assinatura de 17 deputados, mas a oposição tem apenas 13. “Se o governo não tem nada a temer, se tem interesse no esclarecimento dos fatos, não vai obstacular a criação de uma CPI”, declarou.

Indagado se a CPI não seria apenas uma tentativa de desgastar o governo politicamente, Edilson negou. "Precisamos repercutir politicamente aquilo que acontece. A investigação policial às vezes não está revestida de transparência necessária quando se trata de agentes públicos. A CPI é para garantir um dos princípios caros na administração pública: o controle social", declarou.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.