• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Opinião Wilson Barretto: A adoção de crianças por homossexuais Wilson Barretto é diretor geral da Faculdade Esuda

Publicado em: 24/11/2017 07:22 Atualizado em:

Conhecemos a individualidade através da “impressão digital”, única, de propriedade de cada um dos seres e que jamais se repete. Não adianta buscar igualdade nem nos gêmeos univitelinos, cuja origem aconteceu na divisão de um único óvulo fecundado por um único espermatozoide. O DNA de cada um dos gêmeos é igual ao outro, por isso ambos são “considerados” clones, mas, mesmo assim, a individualidade ainda existe, representada de modo formal pelas digitais.

Como são então os corpos, os cérebros e o todo que constituem uma pessoa, um ser? Sempre serão diferentes! As semelhanças simplesmente esbarram em braços como asas ou como barbatanas nos peixes. Essa figuração quer dizer que não queremos anotar as diferenças nas mesmas espécies, por isso definimos as várias! Tudo e todos são semelhantes até o limite ou nível que desejarmos. Pode, de repente, ser simplesmente a que faz a multiplicação da espécie, a grande e macro semelhança dos chamados seres vivos! Assim não devemos jamais desrespeitar essa individualidade que uniu pensamentos e fez o progresso, graças ao poder criativo e construtivo que pertence à rede dos diferentes. Os clones não criam, fenecem, diz a ciência!           

Pares heterossexuais vivem ditando regras para os homossexuais como se a pedra filosofal da sociedade fosse montada nas maiorias aparentes! Como podem dois “homens” ou duas “mulheres” criarem uma criança sem a dualidade pai (macho) e mãe (fêmea)? Como irão se sentir essas crianças com dois pais ou duas mães? Ah, então pai tem que ter pênis e mãe tem que ter vagina! Assim é dado o equilíbrio ao filho que regularmente só terá um dos dois sexos! Errado. A individualidade física também se mostra no cérebro e na conduta! Um casal homo educará seu cuidado de forma completamente diferente de um casal hétero! Jamais poderemos raciocinar como eles! É bom que o respeito às diferenças alcance esse nível! Todos nós somos diferentes, também, em pensamento, criação, comportamento e ação!

E os casos de pais heterossexuais serem mortos por filhos? Onde foi que eles erraram? Não desejaria esse adolescente assassino ter sido criado por dois pais ou duas mães? É muito bom jogar seus medos e suas inseguranças nos vizinhos! Um casal de homossexuais pode ser muito semelhante fisicamente, no entanto devemos lembrar que todos os enlevos da existência consistem em nossos ditames cerebrais, são eles que nos fazem amar o belo, o torpe, não existe limite para o sentimento. Amamos o diferente que nos atrai! O acolhimento será sempre o caminho do bem! Os sentimentos não mentem!
 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.