• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Opinião Paulo José Barbosa: A doação no Brasil Paulo José Barbosa é diretor do Movimento Pró-Criança

Publicado em: 14/09/2017 07:22 Atualizado em:

A pesquisa Doação no Brasil 2015, coordenada pelo IDIS - Instituto pelo Desenvolvimento do Investimento Social, em parceria com Instituto Gallup e um grupo de especialistas e organizações interessadas no assunto, principalmente a Charities Aid Foundation, entidade Internacional de fomento e filantropia, é um estudo pioneiro sobre a doação no pais. A pesquisa foi realizada para avaliar vários aspectos de percepção e prática da doação em dinheiro, hábitos e fatores condicionantes e facilitadores da mesma. Segundo a consultora da pesquisa, Renata D%u2019Andrea Barroul, o tema doação é complexo, porque envolve três dimensões: a cultura, o ambiente e a escolha individual. Os dados resultantes do lado qualitativo apoiaram-se no trabalho de dez grupos focais em Porto Alegre, Recife e São Paulo que trataram de explorar a natureza dos comportamentos, valores e atitudes dos doadores no Brasil. E quanto do lado quantitativo revela números e estatísticas obtidas através de entrevistas individuais e por telefone, que traduzem algumas dessas atitudes e comportamentos. Cerca de 46% dos brasileiros doaram para instituições sociais em 2015.

A pesquisa, que entrevistou 2.230 pessoas com idade acima de 18 anos e renda familiar mensal de mais de um salário mínimo, conseguiu indicar como doador brasileiro: mulher, da Região Nordeste e Sudeste. Tem nível universitário e renda mensal e superior a quatro salários mínimos. Tem religião, mostrando-se mais sensível a causa da saúde e da criança.

A principal experiência de doação institucional conhecida hoje em Pernambuco, iniciada em 2004, conta com o apoio da Companhia Energética de Pernambuco %u2013 Celpe, que arrecada recursos através do acréscimo na conta de luz. O convênio com essa empresa viabiliza o apoio financeiro a quatro instituições que atuam com crianças e adolescentes. Até dezembro de 2016, foram registrados cerca de 234.000 contribuintes, cujos valores resultantes foram distribuídos com as seguintes instituições: Associação Beneficente Criança Cidadã, Organização de Auxilio Fraterno, Movimento Pró-Criança e Pastoral da Criança.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.