• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Brasília Temer deve montar estratégia para o recesso O Congresso entra em recesso a partir deste terça-feira (18)

Por: Agência Estado

Publicado em: 17/07/2017 11:28 Atualizado em: 17/07/2017 11:30

Foto: Evaristo Sá/AFP
Foto: Evaristo Sá/AFP
O presidente Michel Temer chegou na manhã desta segunda-feira, 17, ao Palácio do Planalto para uma semana em que deve se debruçar para manter a base aliada unida durante o recesso. 

Temer também se prepara para a reunião da Cúpula do Mercosul, na qual o Brasil vai assumir a presidência do bloco, em Mendoza, na Argentina. A participação do presidente, no entanto, está prevista apenas para sexta-feira.

Até o momento, a agenda do presidente prevê apenas despachos internos.

Recesso
Frustrado com o adiamento para agosto da votação da denúncia contra Michel Temer no plenário da Câmara, o Palácio do Planalto ainda tenta traçar a estratégia para o presidente durante os dias de recesso, que começará no próximo dia 18 até o dia 1º de agosto.

De acordo com interlocutores, o presidente, que tinha o desejo de tocar a agenda de reformas já sem o peso de estar denunciado, precisa sinalizar aos parlamentares que conseguirá manter a sua agenda positiva ativa durante esse período e dar argumentos para que a base continue fechada com ele para derrubar a denúncia.

Aliados do chamado Centrão, que já começaram a pressão por mais espaço no governo, podem ficar com a pasta da Cultura. Segundo uma fonte, a intenção do presidente nos próximos dias é se debruçar para a escolha do nome para ocupar a vaga deixada por Roberto Freire, logo depois que veio à tona a revelação da gravação do presidente com o empresário Joesley Batista, da JBS, no dia 17 de maio.

Temer deve ainda se concentrar para escolher um nome para o Ministério da Transparência, que ficou vago com a saída de Torquato Jardim para o Ministério da Justiça, no fim de maio. Neste caso, fontes do Planalto reconhecem que é mais difícil usar a pasta para acomodar aliados, já que o próprio presidente já manifestou o desejo de escolher um nome técnico para o cargo.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.