• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Opinião Raimundo Carrero: Ariano aos 90 e ainda vivo, lendo e conversando Raimundo Carrero é escritor e jornalista

Publicado em: 19/06/2017 08:34 Atualizado em:

Samarone chegou muito cedo com a novidade: o mestre quer saber se você pode ler os originais dele. Respondi na cara e imediatamente: Ariano enlouqueceu? Leio com a maior atenção e com maior afeto. Dois dias depois o poeta cearense voltou com três pastas vermelhas nas mãos. Eram os originais de Ariano Suassuna. Inéditos e surpreendentes, num estilo ainda desconhecido. Li tudo de um só fôlego, como se costuma dizer, apesar do grande número de páginas. Uma leitura apaixonante e maravilhosa. Logo depois, dei o sinal de que a tarefa estava concluída. Sim, disse Samarone, mas Ariano quer que você escreva as orelhas do livro. Estive a ponto de gritar de contentamento. Fazia tempo que não tínhamos uma atividade literária em comum.

Escrito o texto, enviei-o a Ariano, que ficou muito entusiasmado. Agradeceu muito. Na verdade, ele me visitava todas as semanas, chegava antecedido por um telefonema do poeta cearense: o mestre vai aí hoje à tarde. Era uma conversa de horas, até que se retirava perto das cinco. Acertamos, então, a publicação do meu conto “o bordado, a pantera negra” junto com o folheto o “romance do bordado e da pantera negra”, que ele escreveu em minha homenagem, grafada nas primeiras estrofes. A publicação foi feita pela editora Iluminuras, de Samuel León, que sempre acompanha os meus projetos, com ilustrações magníficas de Marcelo Soares. O lançamento aconteceu na Fliporto, onde ele e eu fomos homenageados, apesar da morte no meio do ano.

Devo a Manuel Dantas Suassuna a autorização para a publicação do livro em formato de folheto  e cuja primeira edição foi imediatamente adquirida pelos leitores. Renunciei a possíveis direitos autorais porque mi nha amizade com Ariano não envolvia dinheiro. Nem mesmo de forma indireta. Amizade se consolida com amizade.

Agora anuncia-se  a publicação de sua obra pela editora Nova Fronteira, e o romance da Pedra do Reino está em pré-venda desde o princípio do mês. Sendo o projeto de Manuel Dantas Suassuna, estou seguro do sucesso e da boa condução. Dantas tem um grande caráter. É também, sem dúvida, um belo artista plástico. E, com certeza, um amigo fidalgo e gentil.




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.