• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
PGR Janot diz que Cunha e Funaro continuam cometendo crimes, mesmo presos Dono do grupo JBS disse que teria pago pelo silêncio do ex-presidente da Câmara e o do doleiro

Por: Estado de Minas

Publicado em: 19/05/2017 15:34 Atualizado em: 19/05/2017 15:35

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, avaliou que Eduardo Cunha (PMDB), deputado federal cassado e ex-presidente da Câmara, e o doleiro Lúcio Funaro continuaram cometendo crimes mesmo presos na Lava Jato. É o que consta na decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin que determinou a abertura de inquérito para investigar o presidente Michel Temer, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). O parlamentar mineiro e o paranaense foram afastados dos cargos por decisão de Fachin.

Segundo Janot, elementos colhidos pelos investigadores e as gravações feitas pelo empresário e delator Joesley Batista, sócio do grupo JBS, mostram que “pagamento de propinas ao ex-deputado federal Eduardo Cunha e ao doleiro Lúcio Funaro, mesmo depois dos mesmos estarem presos, tem, se não como motivação única, mas certamente principal, garantir o silêncio deles ou, ao menos, a combinação de versões”. 

O procurador-geral destaca que os investigados praticaram atos “com o intuito de impedir ou, de qualquer forma, embaraçar a investigação dos crimes praticados". 

Numa das transcrições das gravações feitas pelo dono da JBS, o próprio empresário conta ao deputado paranaense que estaria pagando propina a Cunha e a Funaro para que ambos continuem calados na prisão e firmem acordo para delação premiada.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.