• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Gravação Aécio pediu R$ 2 milhões a dono da JBS, diz grampo 'Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação', teria dito o senador sobre a pessoa responsável por receber o dinheiro

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 17/05/2017 21:03 Atualizado em: 17/05/2017 23:59

A gravação entregue à Procuradoria-Geral da República (PGR) pelo empresário Joesley Batista revelou que o presidente do PSDB, Aécio Neves, teria pedido R$ 2 milhões a Batista. O dinheiro seria destinado às despesas com sua defesa na Lava Jato. O diálogo durou cerca de 30 minutos e, de acordo com reportagem do jornal O Globo, há uma filmagem que mostra a entrega da quantia ao primo do senador.

De acordo com a delação, Aécio e Joesley se encontraram no dia 24 de março deste ano no Hotel Unique, em São Paulo. No diálogo gravado e publicado pelo portal O Globo, o empresário, após ter o pedido aceito, discute com o Aécio sobre quem pegaria as malas com o dinheiro. 

SAIBA MAIS

"Se for você a pegar em mãos, vou eu mesmo entregar. Mas, se você mandar alguém de sua confiança, mando alguém da minha confiança", propôs Joesley.

"Tem que ser um que a gente mata ele antes de fazer delação. Vai ser o Fred com um cara seu. Vamos combinar o Fred com um cara seu porque ele sai de lá e vai no cara. E você vai me dar uma ajuda do caralho", respondeu Aécio, de acordo com o áudio.

Foram quatro entregas de R$ 500 mil, feitas ao primo do presidente do PSDB, Frederico Pacheco de Medeiros. Quem levou as malas com o dinheiro foi um dos delatores, o diretor de Relações Institucionais da JBS, Ricardo Saud. Uma das entregas chegou a ser filmada pela Polícia Federal. A PGR, porém diz ter elementos para afirmar que o dinheiro não chegou a ser repassado a advogado algum. A PF rastreou o caminho dos reais que, mais tarde, foram depositados numa empresa do senador Zeze Perrella (PSDB-MG).



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.