• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Coluna Diario Político Marisa Gibson: PSB busca conquistar prefeituras de Olinda, Jaboatão, Caruaru e Petrolina

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 10/09/2015 15:17 Atualizado em:

Apoio dos prefeitos
Partido hegemônico, o PSB vai tentar reverter em 2016 uma situação que não corresponde ao poder de um partido que está há mais de oito anos no governo do estado e que em 2012 assumiu o comando da cidade do Recife: prefeituras importantes como Olinda, Jaboatão, Caruaru e Petrolina estão nas mãos de outras siglas, o que torna os prefeitos desses municípios, atores fundamentais nas articulações para a definição dos candidatos do PSB. Em Olinda, por exemplo, o apoio do prefeito Renildo Calheiros, cujo partido, o PCdoB, administra a cidade há quase 16 anos, será crucial. O PSB já tem um pré-candidato, o advogado Antônio Campos, mas a deputada federal Luciana Santos, presidente nacional do PCdoB, deve ser candidata pelo partido, o que dificultará a pretensão socialista. Já em Caruaru, onde o PSB tem dois pré-candidatos, o vice-prefeito Jorge Gomes e a deputada estadual Raquel Lyra, o apoio do prefeito José Queiroz (PDT) é uma condição determinante para a escolha do candidato socialista. Situação um pouco mais complicada é a de Petrolina, onde o prefeito Júlio Lóssio (PMDB) faz guerra de nervos, acenando com o apoio ao deputado estadual  Lucas Ramos (PSB), caso ele se filie ao PSDB. O PSB não acredita que Ramos se transforme num tucano para concorrer à prefeitura – acredita-se que ele terminará se compondo com o partido. O PSB considera que o também deputado estadual Miguel Coelho (PSB) tem mais estrutura – é filho do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB). Só que o grupo do senador foi derrrotado nas duas últimas eleições, fator que será levado em consideração. O que se diz em Petrolina é que o candidato que tiver o apoio de Lóssio vence a eleição. Por fim, Jaboatão, onde as negociações estão avançadas: a pré-candidatura do vice Heraldo Selva (PSB) tem o apoio do prefeito Elias Gomes (PSDB), motivo que levou o PSB a informar ao deputado fedral João Fernando Coutinho (PSB) que ele estava fora da disputa no município.

Revoada

O comando do PSB sempre enfatiza que manterá o equilíbrio de forças dentro da Frente Popular, mas a revoada para o partido tem sido intensa. Nesta semana, o prefeito de Bom Jardim, Miguel Barbosa, ex-PP, e a prefeita de Primavera, Naza Moura, ex-PRTB, se filiaram ao PSB. Ambos são da base do deputado estadual Aluísio Lessa.

Tem razão

Para o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB) o governo Dilma está “se autodestruindo” e faz “o mal aos poucos” ao sinalizar, sem dar nenhuma indicação concreta, que poderá aumentar impostos para conter a crise financeira.

A conta

Daniel Coelho (PSDB) foi contudente ao criticar, da tribuna da Câmara dos Deputados, o governo federal, devido à possibilidade de um aumento da carga tributária: “Não há justificativa para se elevar impostos, já que não se vê a compensação na educação, saúde, segurança pública e nas estradas. Tentar passar a conta da má gestão para o cidadão é desonesto, é errado e é equivocado”.

Pressão renovada

Com o lançamento hoje do movimento pró-impeachment, na Câmara dos Deputados, com a adesão do DEM, PSDB, PSC, PTB, PPS e SD, a oposição renova a pressão para levar a presidente Dilma à renúncia. Nenhum partido quer assumir as consequências de um impeachment, embora já tenham 17 pedidos em tramitação. Haverá também um site para assinaturas de petição a favor do impeachment. Entre as justificativas, estão as pedaladas fiscais, a suspeita de que recursos desviados da Petrobras foram usados na campanha para reeleição de Dilma e o clima de ingovernabilidade. Para que um impeachment vá adiante é essencial o envolvimento do PMDB.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.