• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Memória política UFRPE realiza encontro para receber documentação inédita do SNI

Por: Tércio Amaral

Publicado em: 24/08/2015 11:32 Atualizado em: 24/08/2015 11:42

O programa de pós-graduação em história da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) inicia hoje o encontro “Resgatando a memória: as novas condições de acesso aos documentos do SNI”. O evento é para marcar o recebimento, por parte da instituição, de uma série de documentos inéditos do extinto Sistema Nacional de Informação (SNI), importante aparelho de investigação do regime militar (1964-1985) na vigilância de opositores e inimigos das Forças Armadas.

A abertura do encontro será realizada, às 18h30, na sala de seminário do Cegoe, sede da instituição no bairro de Dois Irmãos, no Recife, pelas professoras Giselda Brito, Maria Rita Machado e a reitora da UFRPE, Maria José de Sena. Logo em seguida, haverá uma conferência do historiador do Movimento Tortura Nunca Mais Grimaldo Carneiro Zachariadhes. É Grimaldo fará a doação do acervo digitalizado. A UFRPE receberá mais de 8 mil páginas sobre a repressão em Pernambuco e 30 mil sobre a região Nordeste.

Em junho deste ano, o Diario teve acesso, com exclusividade, a parte desta documentação. O SNI vigiava nomes como o então arcebispo de Olinda e Recife, d. Helder Câmara, o ex-governador Miguel Arraes, além do deputado federal Jarbas Vasconcelos e o senador Marcos Freire. No caso de Arraes e d. Helder, os documentos demonstram a vigilância das Forças Armadas aos dois personagens no exterior. Arraes no exílio e d. Helder em viagens em defesa dos direitos humanos.

A programação continua na terça-feira. Amanhã, o encontro terá o minicurso de Grimaldo Zachariadhes intitulado “Metodologias Aplicadas ao Documento Sigiloso” e o lançamento do livro “1964 - 50 anos depois, a ditadura em debate”. A documentação do SNI, que hoje funciona como Agência Brasileira de Inteligência (Abin), faz parte da coleção do Arquivo Nacional. A intenção da UFRPE é disponibilizar o acervo para pesquisas e consultas num laboratório de história da universidade. Além de Giselda e Maria Rita, o encontro tem a organização das professoras Élcia de Torres Bandeira e Marcilia Gama.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.