• Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google Plus Enviar por whatsapp Enviar por e-mail Mais
Lava-Jato Cunhada de João Vaccari teria recebido R$ 244 mil de Youssef

Por: Agência Estado

Publicado em: 18/11/2014 18:12 Atualizado em: 18/11/2014 19:30

Uma planilha apreendida pela Polícia Federal indica que Marice Correa de Lima, cunhada do tesoureiro do PT João Vaccari Neto, recebeu R$ 244,2 mil do doleiro Alberto Youssef. A planilha foi citada pela Polícia Federal ao inquirir o presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro Filho. A PF questionou o empresário sobre se os valores foram realmente pagos à Marice. Também perguntou se ele conhece Vaccari.

O presidente da OAS não respondeu a nenhuma das 43 perguntas feitas pelos delegados da Lava Jato. Léo Pinheiro, como é conhecido o presidente da OAS, preferiu ficar calado, seguindo orientação dos seus advogados. Ele foi preso na sexta-feira pela sétima fase da operação que investiga corrupção na Petrobras.

A cunhada de Vaccari também teria recebido R$ 110 mil da OAS, segundo troca de mensagens interceptadas pela PF. O dinheiro foi entregue no apartamento dela em São Paulo, em dezembro de 2013. Os dados da planilha indicam que os outros valores foram entregues no dia 3 de dezembro de 2013. Ela foi conduzida à PF para prestar depoimento na última sexta-feira, mas foi solta em seguida. Marice Correa é filiada ao PT paulista e trabalha na Confederação Sindical de Trabalhadores das Américas, um órgão ligado à CUT.

A PF questionou ainda o presidente da OAS sobre o destino dos 3% que eram acrescidos pelas empreiteiras nas obras contratadas pela Petrobras. Quis saber se ele conhecia Nestor Cerveró, ex-diretor da área internacional da Petrobras. E, ainda, se tinha conhecimento sobre a offshore Santa Tereza que teria recebido US$ 4,8 milhões da OAS African Investment Limited.

O presidente da OAS não respondeu a nenhuma das perguntas. A PF pediu à Justiça para estender a prisão temporária de Pinheiro Filho por mais cinco dias. O Ministério Público solicitou converter a prisão temporária em preventiva, quando não há prazo para soltura. A Justiça ainda não se manifestou a respeito.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.