• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Definição » Voto dos eleitores indecisos decidirá caminho das eleições Voto dos eleitores-sabonete pode influenciar resultado numa disputa presidencial acirrada

Flávia Ayer -

Publicação: 05/09/2014 08:13 Atualização:

A exatos 30 dias de os brasileiros irem às urnas, uma  parcela do eleitorado, considerada menos ligada a ideologias partidárias e até distante do debate político, ganha peso e tem nas mãos a chance de definir as eleições. Numa disputa nacional travada ponto a ponto, o voto dos indecisos, também chamados de “eleitores-sabonete”, é que vai determinar se a briga pelo poder se encerrará no primeiro turno ou será prorrogada para o segundo turno, na avaliação de cientistas políticos. E não vai ser fácil convencer essa turma, descrente na política e sem confiança no discurso dos candidatos.

Aqueles que não sabem em quem votarão para presidente somam hoje de 5% a 7% do eleitorado, de acordo, respectivamente, com as pesquisas Ibope e Datafolha, ambas divulgadas anteontem. Se considerados os 7% que votarão em branco ou anularão o voto, segundo os dois levantamentos, o eleitorado sem candidato flutua entre 12% e 14% do total. Os números se assemelham aos das pesquisas feitas no mesmo período das eleições passadas, mas com uma diferença expressiva.

Diferentemente de 2010, a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, não conta com distância considerável dos demais postulantes. “Quanto mais próximos os candidatos estão em termos percentuais, mais importante é a luta pelos indecisos. Pelo que está acontecendo, a eleição será definida por uma margem pequena de votos”, afirma o professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Manoel Leonardo Santos.

Para o professor, dependendo de para onde for esse grupo, as eleições podem ser decididas no primeiro turno. A análise da cientista política da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) Maria do Socorro Braga segue a mesma direção. Segundo ela, “para atrair a atenção desse público, é preciso apostar em fatores de curto impacto. Seria, por exemplo, uma mudança mais drástica em um ponto do programa, como o anúncio de medidas para política econômica”, reforça.

Mas quem faz parte desse grupo que tem o poder de definir as eleições? O coordenador do Núcleo de Estudos Sociopolíticos da PUC Minas, Robson Sávio, afirma que o indeciso é aquele eleitor sem fidelização partidária nem adesão à ideologia partidária e tende a formar a sua opinião sempre às vésperas do dia de comparecer às urnas. “Normalmente, ele vota para ganhar, e não para escolher o melhor candidato, por isso, ele tende a votar em quem está na frente”, afirma, definindo esse perfil como “eleitor-sabonete”.

“Esse segmento também reúne pessoas que foram às ruas por causa das manifestações (de junho de 2013) e se intitulam como anarquistas ou não se identificam com partidos políticos”, afirma Maria do Socorro. Por causa do peso dos indecisos na disputa política, os partidos estão focados em conquistar esses votos e, para isso, focam em duas estratégias principais. “Uma é apresentar o programa e se apresentar. A outra, desconstruir a imagem dos adversários”, explica Sávio.

PROBLEMAS SÃO A ÚNICA CERTEZA

Nas ruas da capital mineira, a dúvida está presente tanto em relação às eleições presidenciais quanto para o governo do estado. A única certeza dos eleitores é sobre os problemas que precisam ser combatidos, com destaque para saúde, educação, transporte e o combate à corrupção. Segundo os indecisos ouvidos pelo Estado de Minas, são as propostas nessas áreas que os levarão a tomar uma decisão.

Na Praça Sete, Centro de Belo Horizonte, os cavaletes dos candidatos em exibição tentam conquistar mais votos. Apesar do assédio dos postulantes, Régia Márcia Amora, de 48 anos, se mantém em cima do muro. “Estou sem candidato. Tem a Dilma, que está no poder, o Aécio e, agora, a Marina, que a gente não conhece”, diz a técnica em segurança do trabalho. Para governador, ela nem pensou ainda. “Vou votar no candidato da mudança, espero um candidato do povo de fato, um ficha-limpa”, diz Régia Márcia, que participou das manifestações de junho do ano passado.

O analista de informática Marcus Neves, de 45, acredita que um “sexto sentido” o levará a escolher o candidato certo, embora tenha votado bastante nulo nas últimas eleições. “Não entendo nada de política, não gosto nem pesquiso. Preciso me informar melhor e vou decidir com o tempo”, diz. A estudante de direito Andréia de Oliveira, de 25, também não se definiu. “Em outros anos, acho que foi mais fácil votar. Os planos de governo são os mesmos”, reclama a estudante, para quem saúde pública é prioridade.

As namoradas Luisa e Izabela, ambas de 19, estão à procura de candidatos a presidente e governador. Elas contam que iriam votar em Marina Silva (PSB), mas o recuo da socialista em propostas à comunidade LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transgêneros e transexuais) as fez desistir. “Essa é uma questão que vai determinar meu voto. A sociedade ainda é muito homofóbica”, afirma Luisa.

Descrente da política, o comerciante Eduardo Mohallem, de 61, não tem candidato e faz questão de levar na sua cadeira de rodas sua mensagem. Num cartaz, ele escreveu: “Com essa burocracia, carga tributária, altos encargos trabalhistas e impunidade, você ainda acredita que alguém, se eleito, vai mudar alguma coisa?”. “O pessoal está desacreditado. Dá até desânimo”, afirma Eduardo.

O técnico de áudio e vídeo Eduardo Endlich, de 30, faz parte desse time. “É muito político safado. Vou votar em quem mostrar que não vai ter impunidade e corrupção”, afirma. Numa eleição de incertezas e em que indecisos vão ditar os rumos, ninguém arrisca um palpite sobre o resultado. “Nada está dado”, define o cientista político Robson Sávio.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.