• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Brasília Teimosa » Dilma sai em defesa da paternidade das obras federais no estado

Andrea Pinheiro - Diario de Pernambuco

Publicação: 04/09/2014 23:07 Atualização: 04/09/2014 23:22

Foto: Ichiro Guerra/ Divulgação
Foto: Ichiro Guerra/ Divulgação
A paternidade das obras realizadas com recursos do governo federal no estado foi um dos principais pontos do discurso da presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, no comício de Brasília Teimosa, Zona Sul do Recife, nesta quinta-feira (3). Ao lado do ex-presidente Lula, dos candidatos Armando Monteiro (PTB), Paulo Rubem (PDT) e João Paulo (PT), ao governo do estado, vice e ao Senado respectivamente, Dilma destacou a disputa eleitoral deste ano é curta e que é preciso demarcar terreno.

"A verdade vai vencer a mentira, a densinformação e a cara de pau, porque tem muita cara de pau. Aqui mesmo, em Pernambuco, quantas vezes, vocês escutaram, que a Transposição do São Francisco foi feita por uma pessoa só?", criticou. A presidente acrescentou que os investimentos realizados no estado nos últimos anos foram graças ao governo federal. "Foi esse palanque que assegurou, primeiro, que a indústria automobilística viesse para Goiana, que a Refinaria para Ipojuca", exemplificou.

A presidente citou nominalmente os candidatos da coligação Pernambuco Vai Mais Longe para dizer que eles fazem parte do palanque que "sempre defendeu e fez uma parceria com a população do estado". "Nós achamos que Pernambuco é estratégico para o Brasil, para o Nordeste e, aqui, nós investimos naquilo que consideramos essecial para o desenvolvimento do estado e também investimos nas pessoas", acrescentou.

Dilma elencou os principais programas do governo federal, como o Pronatec, o Bolsa Família, o Minha Casa, Minha Vida e o Prouni. Também falou sobre a crise financeira e fez muitas críticas aos adversários, em especial à candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, e ao partido socialista. "A pessoa que muda de um dia para outro de posição não consegue fazer a água passar e nem ficar cristalina", disse. Ela fez uma analogia com as etapas da obra da Transposição do Rio São Francisco, que ela visitou em agosto ao lado Lula.

Novamente criticou quem defende o fim dos subsídios e a autonomia do banco central. A presidente citou a crise mundial de 2008 e lembrou que a "salvação" do Brasil foi o BNDES, um banco público. "Foram eles (os bancos públicos) que transformaram a crise no Brasil numa marolinha", ressaltou. Sobre os subsídios, a presidente disse que os que defendem o fim deles são aqueles que "querem privatizar os bancos públicos ou acabar com o crédito para as famílias brasileiras".

A presidente começou a discursar depois das 22h30, uma hora depois do início do comício em Brasília Teimosa, na Zona Sul do Recife, nesta quinta-feira (5).
Ao final, Dilma disse saber que o país ainda precisa avançar mais. "Falta muito o que fazer, mas subimos alguns degraus", destacou. E afirmou que gostaria de voltar ao estaod para inaugurar obras, como o VLT da Macaxeira ao Joana Bezerra, a segunda etapa da adutora do Agreste. "Tudo isso ao lado de Armando Monteiro", reforçou, pedindo voto para o candidato petebista e para João Paulo

Brasília Formosa
Um pouco antes de o presidente Lula discursar, subiu ao palco Auriete, uma líder comunitária de Brasília Teimosa, que agradeceu ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao ex-prefeito e candidato ao Senado, João Paulo, as obras que mudaram o bairro de Brasília Teimosa, com a retirada das palafitas e a urbanização da área.

"Hoje o cenário é diferente. Você e João Paulo tornaram Brasília Teimosa um cartão postal. Dilma precisa continuar esse projeto. Brasília Teimosa tem um hino nacional: 'daqui não saio, daqui ninguém me tira'. Brasília é nossa!", ressaltou a líder comunitária.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.