• (0) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Disputa presidencial » Luciana Genro defende taxação de grandes fortunas para financiar educação

Agência Brasil

Publicação: 04/09/2014 20:39 Atualização:

Em debate com a comunidade acadêmica da Universidade de Brasília (UnB), a candidata à Presidência da República pelo PSol, Luciana Genro, lembrou hoje (4) das manifestações de junho de 2013 e defendeu a taxação de grandes fortunas para financiar a educação.

Segundo a candidata, a taxação em 5% sobre fortunas a partir de R$ 50 milhões possibilita que o orçamento para a educação seja dobrado. “O Estado precisa investir na sua juventude e para investir tem que botar muito dinheiro na educação, na universidade para formar os quadros que vão pensar e construir o Brasil, não só no futuro, mas no presente também”, disse.

Ao criticar o atual modelo econômico, a candidata disse que o superávit primário para o pagamento da dívida pública tem impedido o país de investir em setores fundamentais, como educação e saúde. Para Luciana Genro, o país deve fazer uma auditoria da dívida pública e a suspensão dos pagamentos. Ela criticou ainda as propostas que visam dar autonomia ao Banco Central.

A candidata defendeu o casamento civil para pessoas do mesmo sexo, a legalização do aborto e a descriminalização do uso da maconha. “Não dá para aceitar meio direito, meia igualdade, por isso exigimos o casamento civil igualitário em lei, quanto a lei que criminaliza a homofobia”, declarou.

Segundo a candidata, o projeto de lei de autoria do deputado Jean Wyllys (PSol-RJ) é uma excelente resposta para o crescimento do narcotráfico e para a diminuição da violência policial. “Não se trata de fazer apologia da maconha, de dizer que não traz nenhum problema, [pois ela traz] assim como o álcool e cigarro. Mas descriminalizar é o passo necessário para desmistificar e fazer o debate abertamente sobre os problemas.”

Ao falar sobre as manifestações de junho de 2013, Luciana Genro disse que representaram um momento político excepcional “em que a juventude assumiu o protagonismo da política”, mas que os resultados obtidos ficaram aquém do que a população queria.

Entre as conquistas obtidas com os protestos, ela citou a redução de tarifas no transporte público, a adoção do voto aberto no Congresso para a cassação de parlamentares e análise de vetos presidenciais e a lei que tornou a corrupção crime hediondo. “Nós precisamos avançar no sentido de que o movimento tenha uma força mais organizada, tenha uma pauta mais organizada para poder exigir vitórias mais contundentes”.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.